Notícias

Ford Transit quer brigar com Mercedes-Benz Sprinter e Iveco Daily

Com a Transit renovada e repleta de tecnologias, Ford quer recuperar a confiança do consumidor brasileiro e posicionar o modelo no topo de linha

Andrea Ramos

24 de set, 2021 · 9 minutos de leitura.

Ford quer posicionar a Transit como a melhor do segmento" >
Ford quer posicionar a Transit como a melhor do segmento
Crédito:Ford/Divulgação
Ford quer posicionar a Transit como a melhor do segmento

A Ford Transit está voltando ao Brasil. Conforme o Estradão publicou no dia 14, a marca terá o desafio de reconquistar o consumidor. Afinal, quando parou de vender a Transit no País, em 2014, muitos clientes se sentiram desamparados. Além disso, em janeiro a empresa anunciou o fim de toda a sua produção local.

Por isso, a nova Ford Transit, que está na quarta geração, virá do Uruguai. O modelo é montado na fábrica da Nordex em sistema SKD. Ou seja, a maior parte do veículo vem pronta, o que exige menos ferramental e investimentos na montagem final. A anterior, oferecida de 2009 a 2014, teve cerca de 30 mil unidades emplacadas e vinha da Turquia.

Seja como for, a nova Transit é muito mais moderna que a que já foi vendida no Brasil. Aliás, a Ford vai basear toda sua estratégia de vendas na oferta de tecnologias modernas. Por isso, executivos da marca dizem que o modelo será posicionado no topo da gama de veículos comerciais leves.

Transit retorna em versões para passageiros

Nesse sentido, a Transit terá vários sistemas automáticos de segurança. Bem como apostará forte na conectividade. Segundo a Ford, todos os equipamentos são de série. Primeiramente, virão as versões de passageiros. Ou seja, configurações 14+1, 15+1, 17+1 e 18+1, além da vidrada. Esta é focada em quem precisa de veículos personalizados.

Para isso, a Ford fez parceria com adaptadoras locais. Segundo a marca, essas empresas darão um atendimento diferenciado aos compradores da Transit. Além disso, a companhia mantém um centro de customização no Espírito Santo com itens exclusivos para o modelo. De acordo com a Ford, isso vai permitir mais agilidade no atendimento nos serviços de customização e pós-vendas.

Porém, as versões para carga só chegam ao Brasil em 2022. Segundo o gerente de vendas de veículos comerciais da Ford Brasil, Flávio Costa, trata-se de uma questão técnica. Ou seja, ligada à produção no Uruguai e ao fato de os testes com as versões de passageiros estarem mais avançados. Além disso, a marca informa que não pretende oferecer opções de chassi-cabine.

Bem equipada

Conforme a Ford, a nova Transit chega ao Brasil com as mesmas tecnologias oferecidas na Europa. Porém, a marca informa que foram feitas adaptações para a região. Nesse sentido, o modelo recebeu chassi e suspensão reforçados. Assim como motor recalibrado.

Trata-se do 2.0 de quatro-cilindros que gera 170 cv de potência a 3.500 rpm. O torque, 41,3 mkgf, fica disponível entre 1.750 rpm e 2.500 rpm. Para isso, conta com com turbo de geometria variável. Segundo a Ford, isso garante melhores eficiência e força em baixa rotação.

A Ford garante que com esse motor, a manutenção também foi otimizada. Por exemplo, a troca de óleo será feita a cada 20 mil km. Por sua vez, a transmissão será manual de seis marchas. Além disso, haverá um modo de condução voltado à economia, que restringe a rotação e a oferta de torque. Bem como sistema start&stop, que desliga e religa o veículo sozinho em paradas de semáforo, por exemplo.

Há ainda direção com assistência elétrica. O diâmetro de giro, de 13,2 m, facilita as manobras em locais estreitos. O volante multifuncional é de série. Assim como a tela de 4 polegadas posicionada na parte central do painel. Há ainda o FordPass, navegador GPS e câmera na traseira.

A bordo, o condutor tem nas mãos uma variedade de porta-objetos. Seja na porta, ou no painel. Destaque para os porta-copos posicionados de ambos os lados do painel. E que permitem transportar garrafas de até 2 litros.

Continua depois do anúncio

Segurança embarcada

Vale ressaltar que na Europa, a Transit recebeu alguns prêmios. Dentre eles ganhou destaque em segurança do um programa de avaliação independente (NCAP) europeu.

Isso porque o veículo oferece sistemas de segurança e que chegam ao País como padrão no minibus. Um deles é o Sistema Advancetrac. Ele integra o controle eletrônico de estabilidade (ESP), controle do torque em curvas, bem como controle eletrônico anticapotamento. Além do sistema que estabiliza ventos laterais e o controle de carga adaptativo.

Ademais, a Transit ainda dispõe de sistemas semiautônomos, mas que privilegiam a segurança no trânsito. Como o assistente de permanência em faixa, piloto automático adaptativo e o assistente autônomo de frenagem.

Em todas as versões o cinto de segurança de três pontos está presente, tanto para o motorista como para os passageiros.

Nova estrutura de pós-venda

Seja como for, a Ford garante que nessa nova fase, as 110 concessionárias da marca no País, destinadas aos automóveis e à Ranger, darão todo o atendimento ao cliente Transit. Para isso, a equipe de vendas recebeu todo o treinamento. Ademais, a Ford aproveitou alguns profissionais da sua antiga rede de caminhões para apoiar no pós-venda.

A Ford também vai oferecer pacotes de revisão. Um deles é a revisão a preço fixo. Ou seja, o cliente sabe quanto vai pagar quando parar o veículo para manutenção.

A fabricante também está oferecendo o chamado Ford Protect. Ou seja, o cliente pode antecipar a compra da manutenção no momento que for adquirir o veículo. Dessa forma, é possível incluir esse valor no financiamento junto com o valor da van.

Ademais, a marca garante que nas cinco primeiras revisões, o cliente vai pagar pelo menos 3% menos em relação ao preço da revisão na concorrência.

A companhia em parceria com o Bradesco está oferecendo 60 meses de financiamento. Sendo a primeira parcela para 90 dias. Válido tanto para pessoa jurídica como para pessoa física.

Sobre preço, a marca não revelou. Argumentando que depende de cada negociação. Mas informou que estará próximo da Mercedes-Benz Sprinter. Modelo que considera como principal rival pelo nível de acabamento e de tecnologia embarcada.