Andrea Ramos

17.09.2020 | 12:08

VW Constellation chega aos 15 anos com 230 mil vendas

Em 2005, a Volkswagen Caminhões lançava a linha Constellation. O modelo, que estreou com três versões, hoje já tem 26, com representantes de 14 t a 74 t de Peso Bruto Total

VW Constellation completa 15 anos no mercado com 230 mil unidades vendidas
Crédito: VWCO/Divulgação

O Constellation, uma das mais importantes linhas de caminhões da VWCO, está completando 15 anos. Nesse período, foram vendidas mais de 230 mil unidades em 21 países. Atualmente há 26 versões disponíveis, com peso bruto total (PBT) de 14 a 74 toneladas e motores com potência entre 190 cv e 460 cv.

A Linha Constellation foi lançada no mercado no dia 19 de setembro de 2005. Os primeiros modelos foram o 19.320 Titan Tractor, 17.250 e 24.250. Logo no primeiro ano, esses caminhões se destacaram em vendas nos segmentos em que atuavam.

No caso do modelo de 24 t, já no primeiro ano conquistou liderança de mercado. E o veículo mantém essa posição que está preservada até hoje. Sozinho, o modelo emplacou perto de 80 mil unidades.

LEIA TAMBÉM: Para Roberto Cortes, da VWCO, renovação de frota está atrasada

Depois de lançar essas três primeiras versões, a Volkswagen não parou de expandir a linha Constellation e passou a lançar novos modelos em diversos segmentos. Há representantes da família nos médios, semipesados, pesados e fora de estrada. Isso se traduz em 26 versões. Soma-se a isso as inovações como o Conntellation semiautônomo, projeto mais recente da marca.

Presidente da Volkswagen Caminhões e Ônibus, Roberto Cortes, explica que a chegada da gama Constellation trouxe modernidade e atendeu na medida os anseios do transportador brasileiro. E, mesmo depois de 15 anos, a linha mantém-se moderna e aceita pelo mercado.

“O Volkswagen Constellation é um produto do qual a nossa marca se orgulha muito. Ele é um exemplo da nossa engenharia sob medida, que coloca foco máximo nas reais necessidades do transportador. A longevidade desse caminhão no mercado nacional e em outros destinos internacionais reflete o sucesso e a enorme aceitação de toda a família pelos nossos clientes”, diz o presidente da VWCO.

Investimentos

O projeto foi fruto de um ciclo de investimentos de R$ 1 bilhão, que envolveu mais de 200 profissionais. Em testes os primeiros modelos percorreram um total superior a 7 milhões de quilômetros na América do Sul, na África e na Europa.

Para o desenvolvimento da linha Constellation no Brasil houve sinergia entre a engenharia brasileira e a alemã da Volkswagen AG e da Volkswagen Commercial Vehicles.

Como os modelos chegaram para substituir a linha tradicional, com cabines originadas dos anos 1990, o design foi o que mais chamou a atenção. A atração da cabine ficava por conta do conjunto ótico, incrementado pelos faróis de milha opcionais. A ampla grade frontal era, além de chamativa, funcional. Permitindo a inspeção diária de itens como óleo e fluido do motor sem a necessidade de bascular a cabine. Mesmo 15 anos depois, e com poucas intervenções estéticas, o modelo é ainda atual.

A bordo do habitáculo, o maior atributo era o espaço, ainda mais quando comparado aos antecessores, sobretudo na linha pesada. E isso também ajudou na boa fama da linha.

O caminhão, na primeira versão de 320 cv, ganhou o apelido de Bob Esponja por causa da cor da cabine amarela. Essa cor foi utilizada no lançamento da linha

Constellation 19.320 substitui um astro da TV

Na época, a aposta da Volkswagen Caminhões e Ônibus era o pesado 19.320. Até mesmo porque, sua missão não era nada fácil. Iria substituir o 18.310 Titan Tractor, modelo que reinou no segmento de pesados de 2002 a 2006. A partir de 2007, o Constellation 19.320 (apelidado de Bob Esponja por causa da sua cor amarela) caiu nas graças do transportador e do caminhoneiro. Ele reinou absoluto no seu segmento e chegou a ser o caminhão mais vendido entre os cavalos-mecânicos. Além de pertencer a uma geração mais moderna ao Titan, o Constellation 19.320 oferecia mais conforto, com um conjunto técnico herdado do Titan como o motor Cummins, porém mais forte, com potência de 320 cv. O modelo foi muito usado nas operações de longas distâncias porque era um caminhão de entrada, frente aos representantes Volvo e Scania, com capacidade para tracionar 45 t.

O 19.320 também foi estrela da série televisiva Pedro e Bino. O programa reestreou na TV Globo em 2003 e ficou no ar até 2007. A atração narrava as aventuras de Pedro e Bino, interpretados por Stênio Garcia e Antonio Fagundes, respectivamente, a bordo de um caminhão pelas estradas do País. O Constellation 19.320 fez sua estreia em 2006 para substituir o Volkswagen 18.310 Titan Tractor.

Com a chegada do Proconve P7 (equivalente a Euro 5), o modelo ganhou mais potência e ganhou a nomenclatura 19.330. Com ele, a Volkswagen acrescentou mais novos modelos à linha pesada que estão até hoje no mercado: Constellation 19.360 e 19.420 4×2, 25.360 e 25.420 6×2 e o 26.420 6×4. Os números antes do ponto representam o PBT do veículo e os três números depois do ponto são relacionados à potência. O Constellation 19.320 e 19.330 venderam juntos 17,1 mil unidades.

O Constellation mais vendido do mercado

O caminhão de 24 t da família chegou a ser o mais vendido do País. E sua posição de o mais vendido entre os semipesados está intacta há 14 anos

Entre o grande número de versões lançadas para atender às demandas de mercado, os semipesados 24.250 (Euro 3) e 24.280 (Euro 5), merecem destaque. Juntos, eles somam aproximadamente 80 mil unidades comercializadas.

O Constellation 24.280 foi lançado em 2012 para suceder o modelo original, apresentado em 2005. Não era uma missão qualquer. Isso porque o Constellation 24.250 havia liderado o mercado brasileiro de caminhões nos quatro anos anteriores. A aceitação da nova versão foi tão grande que superou o volume de vendas do até então campeão do mercado.

O Volkswagen Constellation 24.280 foi preparado para atender a norma de emissões Proconve P7. Para isso, trazia importantes evoluções mecânicas, como o motor MAN D08, de seis-cilindros, mais econômico e silencioso, além de ter 30 cv de potência a mais que o antecessor. Entre os rivais de mercado, um enorme diferencial: a tecnologia EGR, de recirculação de gases de exaustão, que elimina a necessidade de uso do Arla.

Outro atributo é que a nova versão, para atender emissão, ganhou a transmissão automatizada V-Tronic Eaton de dez velocidades, opcional.

Evolução e Inovação

Atualmente, a gama de produtos da família Constellation tem centenas de configurações.  Parte do médio Constellation 14.190 ao pesado off-road recém-lançado Constellation 33.460 6×4, que é voltado ao segmento off-road e também às aplicações em uso misto.

Com a linha Constellation, a Volkswagen conta com representantes 10×4 para atividades extrapesadas, com os modelos 31.330 e 31.390. E também duas opções com caixa automática para operação na coleta seletiva que são os Constellation 17.260 e 24.260 da linha Robust.

Entre outras inovações, a marca alemã chegou a desenvolver uma versão do Constellation 17.280 6×2 GNV para operação específica da Solví, empresa de coleta seletiva. E o 24.280 também GNV para a Ambev. O modelo circulava nas mediações do Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro. Também há versão do 24.280 para o transporte de valores. Outra configuração é o Constellation 31.320 para uso militar com tração 6×6.

A mais recente inovação da VWCO é também um Constellation semiautônomo. O veículo está sendo preparado para atuar na operação de cana de açúcar. De acordo com a fabricante, o projeto é ainda embrionário e por isso nenhuma versão foi eleita para atuar com essa tecnologia. Mas será algum modelo adequado para operação no campo, possivelmente o 31.280 que opera na cana de açúcar.

Outros mercados

O sucesso no mercado brasileiro foi acompanhado pelo êxito em vários outros países. No mesmo ano em que foi lançada, a família Constellation teve suas primeiras unidades enviadas ao Chile. Em 15 anos, já são mais de 25 mil unidades comercializadas a diversos países, como África do Sul, Cuba e Equador. Os Volkswagen Constellation são enviados para mais de 20 mercados na América Latina e na África. Uma prova da aceitação e da qualidade do produto fabricado em Resende, Rio de Janeiro.

Notícias relacionadas