Andrea Ramos

13/03/2020 - 11 minutos de leitura.

Transportadoras orientam caminhoneiros sobre coronavírus

Transportadores e empresas ligadas ao setor estão orientado seus motoristas a aumentar os cuidados com a higiene para reduzir o risco de contágio pelo coronavírus

coronavírus
SOS-Truck-ação-11 Crédito:

O número de casos registrados do novo coronavírus (Covid-19) no Brasil já passa de 100. Para evitar a propagação da doença, as transportadoras estão criando ações para orientar sobretudo os motoristas, como caminhoneiros.

Ao menos por ora, o movimento não é coordenado. As ações são pontuais e vêm sendo implementadas pelas próprias empresas. Mas todas focam a prevenção.

Receba no seu e-mail as principais notícias do dia sobre o coronavírus

Uma das companhias que já vêm orientando seus colaboradores é a  Millenium Transportes. A empresa é especializada em mudanças e atua no Brasil e no exterior.

Desde fevereiro a Millenium vem promovendo campanhas informativas sobre os riscos do vírus por meio de panfletos e canais de comunicação internos. Outra ferramenta bastante utilizada pela empresa é o Whatsapp.



“Queremos tirar todas as possíveis dúvidas dos motoristas”, diz a gerente de recursos humanos da Millenium Transportes, Jéssica Araújo. De acordo com ela, o objetivo é também combater a propagação de fake news (notícias falsas). Um dos meios mais comuns de disseminação de informações enganosas é justamente o Whatsapp.

Folheto e mensagens por Whatsapp são utilizados pela Millenium para orientar colaboradores

A Millenium emprega 32 motoristas. Como todos trabalham em um único turno, não dividem o caminhão com outros condutores. De acordo com Jéssica, isso permite controlar melhor a limpeza dos veículos.

Todos os caminhoneiros que prestam serviço à empresa também receberam um kit com luvas, máscara e álcool em gel. Além disso, todos os dias os veículos são limpos com água e sabão. Isso já era feito antes do início do surto de coronavírus.

“Nunca tivemos problemas com relação a higiene dos caminhões”, diz Jéssica. De acordo com ela, agora o foco é disseminar informações sobre o vírus. “Para que e os motoristas fiquem atentos ao menor sinal da doença”, explica.

A SVD Transportes começou a orientar seus motoristas sobre o coronavírus há cerca de 15 dias. A empresa atua no transporte de veículos comerciais e máquinas tanto no mercado interno quanto em países do Mercosul, além do Chile.

As orientações passaram a ser compartilhadas logo que o primeiro caso da doença foi registrado no Paraná. Os motoristas da empresa, que está localizada na região, logo ficaram apreensivos.

O assunto virou pauta do “Diário Semanal de Segurança”. Esse é o nome do encontro promovido pela empresa durante o qual são debatidos temas ligados à segurança. “

“Resolvemos tratar do assunto para informar e ajudar os motoristas a tomarem medidas de prevenção”, diz o diretor financeiro da SVD, Roberto Trindade. “Sugerimos que eles lavem as mãos com mais frequência, e sempre que possível, evitarem locais fechados, além de ficarem atentos quando alguém próximo apresentar sinais de doença.”

A transportadora distribuiu álcool em gel para 300 motoristas. Esse úmero inclui os 80 profissionais que operam as rotas do Mercosul e Chile.

Como esses motoristas levam os caminhões rodando e voltam de ônibus ou avião, a prevenção é ainda mais importante. “Pedimos que eles fiquem atentos e nos avisem sobre qualquer sintoma de doença” diz Trindade. “Nosso papel é acalmá-los e fazer com que se previnam.”

Ação de saúde para caminhoneiros

O aplicativo S.O.S Truck realiza até esta sexta-feira (13) uma ação voltada à saúde dos caminhoneiros. A ação é no Ecopátio de Cubatão.

Durante toda semana caminhoneiros que passaram pelo Ecopátio de Cubatão  fazeram exames de saúde e tirar todas as dúvidas sobre o novo coronavírus

Nesta quarta edição do evento, o coronavírus é o tema. Estudantes de medicina e enfermeiros realizam exames e palestras sobre saúde. “Ações de instrução são de extrema importância neste momento”, diz o diretor-comercial do aplicativo, Alessandro Polleto.

Boa parte dos participantes da ação são autônomos. De acordo dom Polleto, a maioria dos caminhoneiros que procura o serviço está preocupada com doenças relacionadas ao coração e diabetes. “Mas estamos divulgado informações sobre o coronavírus”.

Entre os serviços que o aplicativo agregará no futuro é o acesso dos motoristas aos prontuários médicos. “Se o caminhoneiro tiver de ser atendido com emergência, o profissional de saúde também terá acesso à parte do histórico médico”, diz Polleto.

Coronavírus: o primeiro passo é prevenir

Diretor da Medlevensohn, distribuidora de produtos da área de saúde, o médico sanitarista Alexandre Chieppe lembra que os caminhoneiros devem redobrar os cuidados. “A prevenção é o melhor remédio.”

Ele recomenda aos motoristas lavar as mãos com sabão regularmente. Quando isso não for possível, deve-se fazer uso do álcool em gel. “Levar as mãos aos olhos, nariz e boca facilitam o contágio”, afirma.

Outra boa dica é limpar partes do veículo, como o volante, com álcool em gel. Esse cuidado é ainda mais importante se o veículo for compartilhado com outros condutores.

Chieppe recomenda manter o caminhão ou ônibus bem arejado. Para ônibus que transportam passageiros, o médico aconselha abrir a janela para ajudar na circulação de ar sempre que possível.

Orientar os passageiros sobre os riscos do coronavírus é fundamental para evitar o contágio. Uma das recomendações mais importantes é cobrir o nariz e a boca com lenço de papel ao tossir ou espirrar. Quem apresentar algum sinal de contágio também deve evitar locais com aglomeração de pessoas.

Segundo o médico sanitarista, os caminhoneiros que atuam em regiões portuárias e na movimentação de cargas vindas de fora do Brasil não precisam tomar nenhuma medida adicional. “O vírus não dura muito tempo quando está no ambiente”, acrescenta.

Sobre o novo coronavírus

Até a tarde desta sexta-feira (13), foram confirmados 98 casos de coronavírus no Brasil. Há outros 1.485 casos suspeitos e 1.344 foram descartados. As informações são do Ministério da Saúde.

Embora a epidemia tenha começado no início deste ano, o coronavírus é conhecido desde a década de 30. O vírus atual é conhecido como Covid-19.

“O novo coronavírus (Covid-19) possivelmente surgiu da mesma forma que outros do mesmo tipo”, afirma Chieppe. De acordo com ele, o mais comum é a mutação do vírus em animais. Após a mutação esse vírus passa a ter a capacidade de infectar humanos.

O novo coronavírus não tem a mesma letalidade em relação ao SARS e ao MERS, de acordo com o médico sanitarista. Sua letalidade está em cerca de 1,8%, o que ainda assim é bem maior que a de um resfriado comum.  “Por outro lado, tudo indica que a capacidade de disseminação do Covid-19 é maior que a do SARS e do MERS”.

Outra particularidade do novo vírus é sua capacidade de ser mais letal em pessoas com mais de 70 anos. A maior parte dos casos está concentrada em grupos de pessoas com faixa etária superior a 60 anos. A letalidade em pessoas com até 50 anos é de 0,2%, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Notícias relacionadas