Andrea Ramos:

Scania tem história no Brasil marcada por séries especiais

A história da Scania no Brasil é marcada por séries especiais de caminhões. Confira os detalhes das 12 edições comemorativas lançadas ao longo de 63 anos

Scania
Crédito: Scania/Divulgação

A Scania acaba de completar 63 anos de atividade no Brasil. Para celebrar, a marca lançou a Edição Especial Heróis da Estrada. Com as 300 unidades do R 450 e 50 do R 410, a fabricante registra 12 séries especiais lançadas ao longo de sua trajetória no mercado brasileiro.

O primeira série especial de um caminhão da Scania no País foi a Jubileum, lançada em 1991 (foto abaixo). O edição celebrou os 100 anos da marca no mundo e era composta por 200 caminhões. Desse total, 170 unidades eram da gama T, de cabine bicuda, e 30 da cabine R. As duas tinham motor de 360 cv com intercooler.

scania

Os Scania Jubileum se destacavam pelas cores. A edição especial era oferecida exclusivamente com cabine preta e chassis prateado. Nas laterais havia adesivos em tom prata, além da inscrição do nome da série.

Séries especiais viraram tendência

No ano 2000, a Scania lançou a série Millenium, com mil unidades. Essa gama registra também a primeira edição especial da Série 4. Esses caminhões tinham duas opções de cabine: cara-chata, na versão R, e bicuda na T. Havia motores com  360 cv e 420 cv de potência. A cabine era pintada de vinho e a identificação do nome da série, em dourado, ficava logo abaixo das janelas (foto abaixo).

Scania

Em 2001, a edição Horizontes resgatou a cor laranja que marcou o “jacaré”, como os Scania bicudos ficaram conhecidos nos anos 1960. A série tinha duas opções de cabine leito, uma da versão T e outra da avançada (ou cara-chata), R. Os motores DSC12 01, de 12 litros, desenvolviam potência de 400 cv.

Os dois caminhões tinham faixas decorativas alusivas à edição Horizontes na cor azul coladas nas laterais (foto abaixo). O logotipo da série também estava no painel e reproduzia o brasão com o grifo, símbolo da Scania. Com foco em transportadoras de pequeno porte, a edição foi composta por 650 unidades, somando os dois modelos.

Scania

No mesmo ano, a Scania lançou uma das séries especiais mais lembradas até hoje: a Rei da Estrada. O motor V8 de 16 litros com injeção eletrônica era o protagonista. Com 480 cv, o Rei da Estrada era o caminhão mais potente oferecido no Brasil. Havia versões 4×2 e 6×4 e o câmbio era manual de 14 velocidades.

Motor Scania V8 deu origem à série

Dos anos 1970 ao início dos anos 1990, os Scania com motor V se consagraram. E ficaram conhecidos em todos os cantos do País como os “reis da estrada”. Mas essa configuração deixou de ser oferecida no Brasil em 1994.

Por causa do aperto nas leis de controle de emissões na Europa, os motores “grandes” perderam espaço. E as fabricantes passaram a investir em opções menores, como os seis-cilindros em linha. Graças à adoção de novas tecnologias, como turbo de geometria variável e eletrônica mais apurada, esses motores passaram a ser quase tão potentes quanto os V8.

Além disso, como na época não havia no Brasil composições do tipo bitrem e rodotrem, os motores “menores” davam conta do recado. Por isso a Scania concentrou a produção dos V8 na Suécia para aplicações específicas.

Scania chega aos 50 anos

Scania

Em janeiro de 2007, a Scania lançou a série Silver Line (foto acima) para celebrar seus 50 anos de Brasil. Foram feitas 400 unidades do cavalo-mecânico R 420. Todas foram vendidas antes do encerramento do primeiro semestre.

O cavalo-mecânico tinha motor  DC 12 01 de 420 cv de potência e 200 mkgf de torque e transmissão manual de 14 marchas. Havia versões com tração 4X2, 6X2 e 6X4.

A edição especial tinha bancos de couro, retrovisores elétricos, hodômetro digital e iluminação para a quinta roda. Outros itens exclusivos eram as calotas feita de aço inoxidável, a buzina a ar cromada instalada no teto e quebra sol lateral.

Entre os opcionais havia freio auxiliar retarder, com potência de pouco mais de 870 cv e tomada de força para caixa de marchas. A suspensão a ar era opcional para as versões com tração 4×2 e 6×2.

King of the Road é V8

Em 2010, a edição “King of the Road” (Rei da Estrada) do R 580 voltou a celebrar os motores V8. Com 580 cv, era o mais potente caminhão homologado no Brasil. País na época. O interior era requintado. Havia itens como bancos e volante revestidos de couro, além de pedais de metal e borracha com o logotipo V8 em evidência.

A cabine R tinha pintura na cor vermelho-rubi perolizada (acima) e adesivos exclusivos. A grade era preta e tinha detalhes cromados, como as molduras das entradas de ar nas laterais, assim como o logotipo da Scania. Outro destaque da dianteira eram os faróis de xenônio, a iluminação de LEDs e a máscara negra dos faróis.

Em 2012, a Scania comemorou seus 55 anos de Brasil com uma edição especial do R 440. Entre os diferenciais havia bancos de couro, defletor de ar e rodas de alumínio. Adesivos prateados com o grifo, símbolo da marca, cobriam boa parte das laterais. Havia ainda o selo comemorativo com o logo de 55 anos e a cor Azul Ultramarino metálica era exclusiva.

Na parte mecânica, o R 440 55 anos tinha transmissão automatizada Scania Opticruise. A caixa de terceira geração recebeu atualizações para tornar mais rápidas as passagens de marcha. Além disso, contribuía para reduzir o consumo d diesel em até 10%, de acordo com dados da mara. A série especial foi oferecida com versões de tração 6×2 e 6×4.

Série celebra o grifo

Scania

Em 2015 foi a vez de a Scania lançar o Griffin Edition (edição do grifo) nas versões R 440 e R 480 com cabine Streamline (cara-chata). A série do caminhão era alusiva ao símbolo da marca, um animal mitológico com corpo de leão e cabeça de abutre. A série teve 300 unidades das versões R 440 e R 480 nas configurações com tração 6X2, 6X4 e 8X2.

Os cavalos-mecânicos vinham de série com transmissão automatizada Opticruise. O sistema contava com um recurso batizado pela marca de Driver Support (suporte ao motorista). Trata-se de um recurso que informa, por meio de alertas no painel, como obter o melhor rendimento com o menor consumo possível de diesel.

Outro destaque era o controle de velocidade adaptativo. Trata-se de um sistema eletrônico que freia e acelera o caminhão sozinho. Isso permite acompanhar o fluxo de trânsito automaticamente, sem interferência do motorista. Havia ainda o retarder, sistema de freio hidráulico auxiliar da marca sueca.

Scania

Em 2017, a Edição Especial 60 anos trouxe novamente o R 440 como protagonista. Desta vez, a cor a cor escolhida foi a Azul Celeste em contraste com as faixas icônicas do T 113, caminhão lançado em 1991. Além do R 440 nas versões com tração 6×2, 6×4 e 8×2, a edição era composta pelo R 480 6×4 na configuração Highline Streamline. Em ambos o motor é o seis-cilindros em linha com 12,7 litros.

Entre os equipamentos, a edição especial trazia grade frontal pintada da mesma cor da cabine, geladeira e faróis de xenônio. Além disso, as capas dos cubo de roda eram de alumínio polido e havia espelhos retrovisores angulares dos dois lados. Climatizador, suspensão a ar transmissão automatizada de 14 velocidades vinham de série.

Duas séries especial na Fenatran 2019

Na edição de 2019 da Fenatran, a Scania apresentou duas edições especiais da Nova Geração. São elas a V8 – 50 anos e a R 450 “Vintage”.

A Edição Especial V8 50 anos (foto abaixo) traz a nova identidade visual adotada globalmente pela marca. Entre os diferenciais há adesivos dourados colados no alto da cabine, portas e saias laterais. Os apliques formaram um belo conjunto com a cor Branco Marfim da cabine. O motor de seis cilindros e 620 cv é o mais potente fabricado no País.

A série especial está disponível com cabine R leito de teto alto (Highline). Entre os destaques está equipamentos com o ADAS, um sistema de segurança que reduz o risco de acidentes. Há ainda acionamento automático dos limpadores de para-brisa e controle eletrônico de estabilidade. A tração é 6×4.

Scania

Eletrônica apurada

Há também o Actcruise, que utiliza o navegador GPS e um mapa integrados ao módulo de conectividade para gravar rotas. Com isso o sistema consegue identificar a topografia e “saber” como é a via à frente. O dispositivo inclui uma solução batizada pela Scania de Ecoroll.

Trata-se de uma espécie de “banguela” eletrônica, que desacopla a caixa de marchas automaticamente. O sisteme eletrônico gerencia variáveis como aceleração, marcha engatada e topografia de modo a reduzir o consumo de combustível em até 3%, segundo dados da marca.

A Série Especial Scania Vintage tem o antigo logotipo da Scania Vabis. A cor Black Magic contrasta os adesivos dourados colados no alto da cabine, portas e saias laterais. A edição é baseada no R 450 6×2, atual campeão de vendas da marca.

Notícias relacionadas