Scania testa caminhão autônomo em operação da Rio Tinto

Unidade baseada em um XT 8×4 contribui para promover segurança e mais eficiência em mina de sal na Austrália

Scania XT450 8x4 autônomo em mina de sal da Rio Tinto Crédito: Foto: Scania

Mais um exemplo do uso das tecnologias autônomas reforça o consenso da indústria de que o desenvolvimento de veículos comerciais autônomos parte de nichos de transporte e, inicialmente, em ambientes confinados. Recentes notícias da Volvo e da Mercedes-Benz, inclusive no Brasil, mostram que as montadoras andam a passos rápidos para tornar a direção autônoma uma solução viável comercialmente. Agora a Scania anuncia que em cooperação com a Rio Tinto, conglomerado do setor de minérios, colocou um modelo XT 8×4 basculante em operação em uma mina de sal na Austrália.

O caminhão, com motor de 450 cv, opera de maneira de isolada das operações ativas da Dampier Salt, uma das produtoras de sal da companhia anglo-australiana, localizada em cidade portuária homônima. A montadora informa que as experimentações começaram em agosto passado e, nesta fase inicial, um condutor acompanha a operação dentro veículo para observar o desempenho do caminhão e, se necessário, intervir. Em fases posteriores, outros Scania autônomos serão adicionados com objetivo de desenvolver a “inteligência” dos veículos, como também controles de supervisão da frota.

Rob Atkinson, líder da produção e suporte técnico da Rio Tinto, diz que está uma grande oportunidade de testar caminhões menores em relação aos gigantes tradicionais de mineração utilizados pela companhia. “Isso tem o potencial de nos dar mais flexibilidade na forma como operamos em várias áreas da Rio Tinto. Vemos a automação criar operações mais seguras e eficientes em nossos negócios, o que indica um próximo passo na avaliação das opções para oferecer melhorias adicionais por meio do uso da tecnologia.”

De acordo com Björn Winblad, chefe da unidade de negócio Scania Mining, devido às altas taxas de utilização dos veículos, os canteiros de mineração se mostram ideais para experimentar e desenvolver novas tecnologias autônomas. “A indústria pode colher os benefícios de segurança e produtividade da automação. A experiência adquirida na Dampier Salt será fundamental para o desenvolvimento de soluções totalmente autônomas para outras aplicações de transporte.”

A Rio Tinto foi pioneira no uso de automação na indústria de mineração. Hoje é dona da maior frota de caminhões sem motoristas, além de ser a primeira a adotar o transporte pesado totalmente autônomo do mundo, em projetos com a Kotmatsu e a Caterpillar. Desde 2008, quando a mineradora iniciou operações experimentais com tecnologia automatizada, os veículos autônomos das minas de região de Pilbara, também na Austrália, já movimentaram mais de 1 bilhão de toneladas de minério de ferro.

Pelas contas da companhia, em 2017 cada caminhão da frota autônoma da Rio Tinto nas minas de Pilbara trabalhou em torno de 700 horas a mais em relação aos caminhões convencionais, com custos até 15% menores. E, mais importante, como destaca a empresa, desde a decisão do uso dos veículos autônomos não ocorreu qualquer acidente atribuídos a eles, o que aponta significativas vantagens no que diz respeito à segurança.


Notícias relacionadas