Você está lendo...
Produção nacional de caminhões dispara em 2021 com alta de quase 75%
Mercado

Produção nacional de caminhões dispara em 2021 com alta de quase 75%

Montadoras projetam crescimento de 8,2% na produção de caminhões e ônibus em 2022, mesmo com gargalos como inflação e falta de componentes

Aline Feltrin

07 de jan, 2022 · 5 minutos de leitura.

Produção de caminhões
Produção de caminhões em 2021
Crédito:Mercedes-Benz/Divulgação
A expectativa é que a produção de caminhões cresça mais 8% em 2022

A produção nacional de caminhões somou 158,8 mil unidades em 2021. Com esse resultado, as fabricantes reportaram aumento de 74,6% na comparação com 2020, quando saíram das linhas de montagem 90,9 mil unidades. Os números são da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, a Anfavea.

De acordo com o presidente da entidade, Luis Carlos Moraes os números refletem os esforços que as empresas precisaram fazer para driblar os gargalos referentes a inflação de insumos. E também a falta de materiais. Principalmente os que interferem diretamente na produtividade das fábricas. "A recuperação foi possível porque conseguimos trabalhar junto aos fornecedores e as matrizes para conseguir reduzir impactos de falta de materiais."

Os números da Anfavea mostram ainda que em dezembro a indústria fabricou 12,4 mil caminhões, alta, portanto, de 18,2% sobre dezembro do ano anterior.


Leia também: Mercado de caminhões cresce 43% em 2021; veja os mais vendidos 

Produção vai crescer 8,2% em 2022

A expectativa de produção de veículos pesados para 2022 é de crescimento. Segundo projeções da entidade, no acumulado de janeiro a dezembro, as empresas deverão produzir 192 mil veículos. Sendo a maioria caminhões. Se a expectativa for cumprida, haverá um aumento de 8,2% sobre a produção de 2021.

Para chegar a esse volume, no entanto, as fábricas devem enfrentar alguns desafios. Esse é o caso do aumento do custo de produção, a continuidade da alta carga tributária, menor oferta de insumos e a extensão da crise sanitária.


Por outro lado, o cenário positivo para o agronegócio fortalece as projeções da indústria de caminhões. De acordo com as estimativas iniciais, a safra de grãos deverá render 290 milhões de toneladas. 

Desempenho por categoria

O maior volume de produção em 2021 foi a de caminhões pesados. No acumulado de janeiro a dezembro, as montadoras fabricaram 78.905 unidades. Segundo os dados da Anfavea, o volume é 78,7% superior a 2020, quando as montadoras fabricaram 44.097 pesados.

Em seguida, aparecem os caminhões semipesados, com 46.172 unidades. Alta, portanto, de 69,7% sobre a produção de 2021 que somou 27.212 caminhões semipesados.


A produção de médios foi de 7.390 unidades, avanço de 72,2% sobre as 4.291 unidades do ano anterior.

As montadoras fabricaram 24.429 caminhões leves, avanço de 66% sobre a produção de 2021 (14.717). Por fim, os semileves somaram produção total de 2.014 unidades, aumento de 225,4% sobre as 619 unidades de 2020.

Ônibus: crescimento tímido

A produção nacional de ônibus apresentou crescimento tímido em 2021. De acordo com dados da Anfavea, saíram das linhas de produção 18.881 chassis, um acréscimo de apenas 2,6% sobre o volume alcançado no ano anterior, de 18.405.


O maior volume de produção foi de urbanos, com 16.486 unidades, alta de 6,6% sobre 2020, quando as empresas produziram 15.471 chassis desse segmento.

Por fim, saíram das linhas de produção 2.395 rodoviários, queda de 18,4% sobre as 2.934 unidades de 2020.