Mercado

Produção de caminhões no Brasil tem leve crescimento de 1,1% em julho

Apesar de afetada pela falta de semicondutores, indústria registrou o melhor resultado para o mês desde 2013 na produção de caminhões

Décio Costa

06 de ago, 2021 · 5 minutos de leitura.

Produção de caminhões registra leve crescimento de 1,1% em julho" >
Produção de caminhões registra leve crescimento de 1,1% em julho
Crédito:Volvo/Divulgação
Produção de caminhões registra leve crescimento de 1,1% em julho

A produção de caminhões no mês passado seguiu ritmo estável. E apresentou ligeiro crescimento de 1,1%. Assim, saíram das linhas de montagem 14.801 unidades. Enquanto, em junho, a produção foi de 14.639 caminhões. Isso conforme balanço apresentado na sexta-feira (6) pela Associação Nacional das Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

De acordo com a entidade, foi o melhor julho desde 2013 para a produção de caminhões. Logo, o volume produzido representou alta de 117%. Quando se compara com julho do ano passado. Naquele ano a indústria montou 6.820 unidades.

Você também vai gostar de


Seja como for, a alta significativa se deve às consequências da pandemia. Em outras palavras, em julho do ano passado, a indústria voltava a retomar a normalidade após interrupção na produção.

LEIA TAMBÉM: Vendas de caminhões crescem 47,6% até julho de 2021

Indústria sente menos os efeitos da falta de semicondutores

Logo, com a adição do resultado de julho, o acumulado do ano registrou crescimento de 115%. Nos sete primeiros meses do ano, as montadoras produziram 89.523 caminhões. Enquanto no mesmo período no ano passado a indústria produziu 41.558 unidades.

O desempenho apresentado até aqui mostra que as empresas têm conseguido reduzir o impacto da falta de semicondutores. Segundo o vice-presidente da Anfavea para veículos comerciais, Marco Saltini.

?A indústria de veículos pesados também sofre com o desabastecimento. Mas sobretudo devido aos volumes menores. Contudo, o ritmo nas fábricas segue de certa maneira estável. Ademais, o setor tem menos dependência dos semicondutores em relação aos automóveis?.

Produção de chassi espera a volta da influência do Caminho da Escola

O segmento de ônibus custa a retomar. Ao contrário dos caminhões. Portanto, considerado o mais afetado pela pandemia. Nesse sentido, a produção teve queda 5,5%. Logo, foram feitos 1.533 chassis no mês anterior. Enquanto junho apresentou  1.622 unidades. Na comparação com julho de 2020, que produziu 1.601 unidades, a retração foi de 4,2%.

Contudo, no acumulado do ano o resultado apresentou variação positiva. Assim, os 11.867 chassis produzidos de janeiro a julho representaram alta de 12,1% sobre as 10.575 unidades montados no mesmo período do ano passado.

Segundo Saltini, a indústria começa a sentir os efeitos do fim das entregas provenientes ao programa Caminho da Escola. Ou seja, programa que até então contribuía com a produção.

?Novo processo de licitação foi feito. Mas o impacto na indústria só deverá aparecer a partir do último trimestre. Com o início das vendas para estados e prefeituras.?

Continua depois do anúncio

Vendas têm forte alta

As vendas de caminhões cresceram 47,66% em 2021. No acumulado de janeiro a julho, foram emplacadas 69.535 unidades, ante as 47.090 vendidas em igual período de 2020. Isso de acordo com dados divulgados nesta terça-feira (3) pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

Segundo a Fenabrave, as vendas de caminhões também cresceram em julho. No mês passado, foram emplacadas 11.488 unidades. Logo, a alta foi de 20,85% ante o mesmo mês de 2020. Naquela ocasião, foram vendidas 9.506 unidades

Seja como for, na comparação de mês a mês o crescimento foi tímido. Dessa forma, em relação a junho de 2021 o crescimento foi de 3,48%. Ou seja, no mês anterior foram emplacados 11.102 caminhões no Brasil.