Mercado

Produção de caminhões até agosto é duas vezes maior que em 2020

Para associação das montadoras, ritmo no chão das fábricas de caminhões só não é mais intenso devido ao desabastecimento de semicondutores

Décio Costa, Especial para o Estradão

08 de set, 2021 · 3 minutos de leitura.

Produção de caminhões avança 1,1% em agosto" >
Produção de caminhões avança 1,1% em agosto
Crédito:Mercedes-Benz/Divulgação

No último mês de agosto, saíram das linhas de produção do País 14.963 caminhões novos. O volume representa um crescimento de apenas 1,1% sobre o resultado de julho, quando registrou 14.801 unidades produzidas. Entretanto, na comparação as 7.087 unidades feitas em agosto de 2020, a alta chega a 111%. Em outras palavras, a produção mais que dobrou.

LEIA TAMBÉM: Venda de caminhões cresce 48,9% no Brasil em 2021; veja o ranking

Você também vai gostar de


Agronegócio e mineração impulsionam produção

De acordo com a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), setores como o agronegócio, o de mineração e de carga-geral continuam como os principais compradores. Para a entidade, contudo, os resultados na produção poderiam ser maiores. Isso porque a indústria de caminhões também sofre com a falta de semicondutores, mas menos que a de carros.

?A venda de caminhões costuma ser mais técnica, com entregas programadas ao longo de alguns meses?, pontuou Gustavo Bonini, vice-presidente da Anfavea, na apresentação dos resultados do setor nesta quarta-feira, 8. ?Em função dos volumes menores também, as fabricantes conseguem remanejar a produção com mais flexibilidade?, disse Bonini.

De qualquer maneira, com a produção de agosto, o acumulado do ano alcançou crescimento de 114,8%. Ou seja, saltou de 48.645 caminhões produzidos nos primeiros oito meses de 2020, para 104.486 unidades fabricadas de janeiro a agosto de 2021.

Produção de chassis cai

Ao contrário do segmento de caminhões, o de ônibus ainda mostra dificuldades para retomar. Nesse sentido, os 1.510 chassis feitos no mês passado foram 1,5% inferiores ao de julho, que teve 1.533 unidades fabricadas. Mas no confronto com o ano passado, os resultados foram positivos. Muito embora, de acordo com a Anfavea, ainda estejam abaixo do desempenho de 2019.

Assim, na comparação com agosto de 2020, quando somou 1.350 chassis, a alta foi de 11,9%. Já a produção no acumulado até o mês passado somou 13.367 unidades. O volume representa um crescimento de 12,1% frente ao acumulado do ano passado, quando a indústria nacional entregou 11.925 chassis novos.