Notícias

Preço do diesel sobe 2% nas bombas e setor protesta contra governo

Entidades que representam transportadoras e caminhoneiros autônomos reclamam do aumento do preço do diesel e do descaso com o setor

Andrea Ramos

04 de out, 2021 · 7 minutos de leitura.

preço do diesel" >
Entidades pressionam o governo devido aos custos do transporte
Crédito:ANTT/Divulgação
Entidades pressionam o governo devido aos custos do transporte

O preço do diesel subiu 2% nas bombas após a Petrobras aumentar o valor do combustível nas refinarias em 8,9%. Logo, apenas neste ano a empresa fez 12 reajustes, sendo nove altas e três reduções. Seja como for, a alta acumulada, de 49% em 2021, impacta o custo dos transportes e afeta tanto caminhoneiros autônomos quanto empresas. Como resultado, a Abrava, que representa uma parte dos caminhoneiros, e a NTC&Logística, que reúne as transportadoras, publicaram notas de repúdio aos aumentos e pedindo providências ao governo.

Com o novo reajuste, o preço do diesel é de, em média R$ 4,801, nos postos do Brasil. De acordo com dados da Agência Nacional de Petróleo (ANP), Presidente da NTC&Logística, Francisco Pelucio diz que a associação está buscando um entendimento com o governo federal. Segundo ele, o preço do diesel representa 46% do custo com o transporte. "Dependendo da distância percorrida, pode chegar a 50%", afirma o executivo.

"Queremos um debate com o presidente da República e o Congresso. Tem de haver uma forma para controlar esses aumentos?, diz Pelucio. De acordo com ele, as sucessivas altas estão impactando fortemente a operação de transporte. Além disso, ele afirma que há outras altas pressionando os custos da operação. Por exemplo, ele cita os caminhões e dos implementos rodoviários novos. Conforme o executivo, em seis meses o aumento foi de cerca de 50%.

Transportadoras criam 'gatilho' para repor perdas

Conforme a nota divulgada pela NTC, além do preço do diesel há outros itens que comprometem o custo de operação. Por exemplo, os juros básicos (taxa Selic), que eram de 2%, devem chegar a 8,5% em outubro. No mesmo sentido, o spread bancário (diferença entre o que é pago em aplicações e cobrado em empréstimos) teve alta de 2 pontos percentuais. Como resultado, a inflação média do setor de transporte já supera os 30%.

Assim, Pelucio diz que as empresas não têm como manter a saúde do negócio. Nesse sentido, há ainda os pedidos, cada vez mais frequentes, de adiamento do prazo de pagamento pelos clientes. Segundo ele, já há operadores pedindo até quatro de prazo para pagar. "Isso compromete a capacidade de as transportadoras fazerem investimentos." De acordo com ele, isso é ainda pior considerando que o mesmo com os frequentes aumentos do preço do diesel, o combustível é pago praticamente à vista.

Conforme o executivo, a NTC está orientando seus associados a se precaver. Dessa forma, uma das medidas é incluir cláusulas que garantam reajustes toda vez que o preço do diesel subir. Segundo o conselheiro da Transita Transportes, Andre de Simone, a transportadora já está utilizando esse recurso. Da mesma forma, algumas companhias vêm repassando as altas de custos periodicamente. Ou seja, com intervalos que vão de dois a seis meses.

preço do diesel

Caminhoneiros autônomos reclamam de descaso

Segundo Pelucio, o governo precisa atuar para estabilizar os preços. ?A situação está insustentável. Discussão é a solução e não uma greve!", afirmou. Por sua vez, o presidente da Abrava, Wallace Landim, não descarta uma paralização dos caminhoneiros autônomos. Seja como for, em comunicado à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) Chorão, como ele é conhecido, pediu a revisão do valor mínimo do frete. Ou seja, para compensar os sucessivos reajustes do preço do diesel.

Seja como for, a lei nº 13.703, de 2018 já prevê correções no piso. Assim, a ANTT deve reajustar os valores a cada meses ou quando ocorre variação do preço do diesel igual ou superior a 10%. ?Desde o último reajuste feito pelo gatilho, em 1º de março, o preço diesel subiu 17,1%" explica Chorão. Portanto, ele afirma que a Abrava quer apenas que a ANTT cumpra o que determina a lei.

Além disso, a  Abrava pediu à ANTT faça um novo contrato dom a Esalq-Log (Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística) para elaborar o estudo de atualização do piso mínimo de frete. Segundo ele, o contrato venceu no início deste ano e o levantamento deixou de ser feito. Portanto, Chorão diz que, além do aumento do preço do diesel, a categoria não tem recebido nenhum tipo de atenção do governo.

ANTT informa que preço do diesel subiu 4,42% desde julho

Questionada pelo Estradão, a ANTT informou, na semana passada, que o reajuste feito pela Petrobrás ainda não havia impactado o preço do diesel no mercado. Segundo a agência, ao ser ?constatado que o aumento atingiu os 10% previstos na lei, será feito o reajuste nos coeficientes dos pisos mínimos." Ou seja, conforme previsto na Resolução ANTT nº 5.867, de 2020. Porém, de acordo com a ANTT, desde julho de 2021, quando o reajuste foi feito, a alta acumulada do preço do diesel foi de 4,42%.

Continua depois do anúncio