Você está lendo...
Movimento de caminhões avança em maio nas estradas brasileiras
Notícias

Movimento de caminhões avança em maio nas estradas brasileiras

O movimento de caminhões nas estradas cresceu 1,7% em maio sobre abril. A demanda industrial aquecida reflete em mais caminhões nas rodovias

Aline Feltrin, Especial para o Estradão

13 de jun, 2022 · 4 minutos de leitura.

Movimento de caminhões nas estradas
Crédito:CNT/Divulgação

O movimento de caminhões aumentou 1,7% nas estradas pedagiadas do Brasil na comparação com abril. Da mesma maneira, o avanço na comparação com maio de 2021 foi de 4,9%. E de 2,8% nos últimos doze meses. Os dados são do Índice da Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias, ABCR, feito em conjunto com a Tendências Consultoria.

A explicação para o aumento do movimento de caminhões nas estradas é o ritmo acelerado da produção industrial. Isso porque a alta demanda dos últimos meses demonstra resiliência frente à inflação de insumos na cadeia de suprimentos. Assim, a tendência é que a expansão do volume de caminhões aumente nos próximos meses.

Mais crescimento em São Paulo

Seja como for, as estradas paulistas registraram mais crescimento em maio na comparação com abril. Assim, a alta foi de 4,3% no período. Por outro lado, na comparação com maio do ano passado, o crescimento foi de 5,5%. E, por fim, acréscimo de 1,9% nos últimos doze meses.


De qualquer maneira, o fluxo de caminhões nas estradas do Rio de Janeiro aumentou 1,4% sobre abril e 9,6% na comparação com maio de 2021. Seja como for, o movimento cresceu 5,7% nos doze meses.

LEIA TAMBÉM
Caminhões e ônibus elétricos e a gás têm alta de 663% nas vendas

Fluxo de leves também cresceu

Da mesma forma, houve maior movimento de veículos leves nas estradas pedagiadas do Brasil. Segundo o levantamento da ABCR, em maio o fluxo avançou apenas 0,2% sobre abril, porém, aumentou 8,6% na comparação com o mesmo mês do ano passado. Ou seja, nos últimos 12 meses, registrou aumento de 10,6%.


Segundo análise de economistas da Tendências Consultoria, o aumento do fluxo de leves tem acompanhado a normalização das condições de oferta e demanda de serviços presenciais. Esse é o caso do turismo e do lazer. O cenário, aliás, deve-se à "maior segurança sanitária das famílias". Seja como for, a soma do movimento de veículos leves e de caminhões ocasionou um aumento de 1,3% no fluxo geral em maio sobre abril. Assim, na comparação com maio do ano passado, a alta foi de 7,6%. E de 8,5% nos últimos 12 meses.