Andrea Ramos

22/07/2020 - 6 minutos de leitura.

Para Mercedes-Benz mercado de ônibus voltará ao normal em 2021

Mercedes-Benz projeta que o mercado de ônibus vai encerrar 2020 com 10 mil vendas, uma retração de 52% ante 2019. Para 2021, a marca aposta na recuperação

Para Mercedes-Benz o mercado de ônibus volta ao normal em 2021
Crédito: Mercedes-Benz/Divulgação

No primeiro semestre de 2020 as vendas de ônibus no Brasil caíram 40,8% ante o mesmo período de 2019. De janeiro a junho deste ano foram emplacadas 5.626 unidades. Com base nesses números, a Mercedes-Benz estima que a retração neste ano será de 52%. A estimativa de vendas, de cerca de 10 mil unidades, é parecida com a previsão feita pela Anfavea.

A queda nas vendas é resultado da pandemia. Por causa do novo coronavírus, o setor de transporte rodoviário de passageiros ficou praticamente paralisado. Antes do início do isolamento social, a expectativa era vender 23 mil ônibus novos no mercado brasileiro em 2020.



“O ano começou promissor e acreditávamos que seria igual a 2019. Com a pandemia e as medidas de distanciamento social, o impacto foi forte impacto. Em especial nos meses de abril e maio”, diz o diretor de ônibus da Mercedes-Benz, Walter Barbosa.

O segmento mais afetado foi o escolar, com 56% de retração nas vendas. Depois vem o de micro-ônibus, com queda de 52% nos emplacamentos. A terceira maior queda foi no seguimento urbano (-33%). Os setores rodoviário (-28%) e de fretamento (-20%) completam a lista dos cinco mais afetados.

Barbosa afirma que a maior parte das vendas de ônibus escolares foram feitas no primeiro semestre. E referem-se à licitações realizadas em 2018. Os emplacamentos feitos a partir do segundo semestre referem-se à licitações recentes. E devem representar o maior volume no período, com pelo menos 3 mil unidades.

O setor de fretamento foi o que apresentou menor queda nas vendas. A explicação é que as empresas privadas tiveram de providenciar mais ônibus para cumprirem as regras de distanciamento social.

Barbosa acredita que o cenário de queda é passageiro. Segundo ele, assim que a pandemia for controlada, ou quando houver uma vacina para a covid-19, o mercado irá se readequar.

Para a fabricante da estrela, o mercado de ônibus volta à normalidade em 2021

Mercedes cai menos que o mercado de ônibus

A Mercedes-Benz mantém a liderança de vendas de ônibus no País. No primeiro semestre, a marca emplacou 3.165 unidades. Com isso, garantiu 56,3% de participação no segmento de Peso Bruto Total (PBT) acima de 8 toneladas. Isso significa 3,8% a mais que os 52,5% de participação no mesmo período de 2019.

“Mesmo com volumes menores, a renovação e ampliação de frotas do transporte coletivo urbano são as que mais puxam as vendas do setor. A Mercedes-Benz emplacou 1.919 ônibus neste segmento. Com isso, alcançamos a liderança em urbanos, com cerca de 74% de market share”, diz Barbosa.

No segmento rodoviário, a Mercedes-Benz supera os 55% de participação. No primeiro semestre de 2020 a marca vendeu 613 unidades no Brasil. A empresa é também a que mais vendeu ônibus para fretamento no primeiro semestre de 2020.

No acumulado de janeiro a junho, a empresa vendeu 253 unidades para o segmento do transporte de passageiros. Com isso, conquistou 53% de participação de mercado.

No caso dos micro-ônibus, foram vendidas 315 unidades do Mercedes-Benz ORE 2. Com isso a marca garantiu a liderança de vendas do segmento, com 56% na categoria por meio do programa Caminho da Escola.

MB quer incentivar uso de ônibus

Para estimular a retomada do setor de transporte de passageiros, a Mercedes-Benz lançará a campanha “Coletivo de Cuidados”. A ação online, que entrará no ar em agosto, visa resgatar a confiança do passageiro no transporte coletivo. Para isso, a campanha apresentará boas práticas implementadas por seus clientes.

A empresa mostrará, por exemplo,como os veículos estão sendo higienizados e preparados para receber passageiros de de forma segura. “Isso será muito importante na volta à normalidade. O aumento no fluxo de passageiros está voltando gradualmente”, diz Barbosa.

Notícias relacionadas