Notícias

Caminhoneiros pedem que diesel seja isento de impostos

Caminhoneiros querem que o Ministérios da Economia reduza os impostos sobre o diesel para conter a alta dos preços nas bombas

Aline Feltrin

28 de jan, 2021 · 5 minutos de leitura.

impostos sobre o diesel" >
Crédito:Divulgação: Agência Brasil

A Frente Parlamentar Mista do Caminhoneiro Autônomo e Celetista enviou ofício ao ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, solicitando que o governo zere a cobrança de PIS, Cofins e CIDE sobre o óleo diesel. A iniciativa apoia o requerimento feito na terça-feira (26) pela Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Autônomos (ABRAVA).

Aliás, nesta semana a Petrobrás reajustou em 4,4% o preço do diesel nas refinarias. Ou seja, um novo  aumento deve chegar às bombas dos postos em breve.

Você também vai gostar de


Presidente da ABRAVA, Wallace Landin, o Chorão, disse ao Estradão que os constantes aumentos do óleo diesel estão inviabilizando a profissão. ?Precisamos, portanto, cobrar o governo para reduzir os impostos sobre o combustível.?

Caminhoneiros podem parar no dia 1º de fevereiro

A alta é um novo ingrediente que pode aumentar o risco de uma greve de caminhoneiros.  O movimento tem apoio da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transporte e Logística (CNTLL), do Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC) e da ABRAVA.

Crédito: Fernando Frazão/Agência Brasil

Nas redes sociais, os caminhoneiros estão divididos. Na prática, há várias associações representantes da categoria. Ou seja, o movimento não tem uma liderança nacional.

De acordo com Chorão, esses grupos desarticulados podem desvirtuar a pauta de reinvindicações da categoria. Segundo ele, há o risco de o movimento tomar um viés político.  ?Há grupos que apoiam o presidente e outros são a favor do impeachment?, conta.

Caminhoneiros do porto de Santos decidem hoje sobre greve

"O que a maioria quer é que os direitos conquistados na greve de 2018 sejam garantidos?, diz. Ele contou ao Estradão que nesta quinta-feira (28) os caminhoneiros que atuam no porto de Santos (SP) vão decidir se apoiam a greve. Só esse grupo tem dez associações diferentes.

Na quarta-feira (28), após reunião no Ministério da Economia, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez um apelo aos caminhoneiros. Ele disse que ?reconhece o valor dos caminhoneiros para a economia do Brasil?. O presidente disse que há um estudo em andamento sobre a possível redução do PIS e Cofins para os combustíveis.

O governo vem fazendo ações para agradar os caminhoneiros desde o surgimento de ameaça de greve. Contudo, Chorão diz que esses movimentos são insuficientes.

Continua depois do anúncio

Segundo ele, não há uma agenda para atender as demandas do setor. ?Queremos ações que tornem a vida do caminhoneiro menos difícil, como a isenção da carga tributária sobre o combustível.?

CNT diz que não apoia paralisação

A Confederação Nacional dos Transportes (CNT), informou que é contra uma eventual paralisação dos caminhoneiros. O posicionamento foi feito por meio de nota. Confira a íntegra abaixo:

Posicionamento da CNT sobre a paralisação dos caminhoneiros

A CNT (Confederação Nacional do Transporte), por intermédio do seu presidente, Vander Costa, vem a público informar que não apoia nenhum tipo de paralisação de caminhoneiros e reafirma o compromisso do setor de transportador com a sociedade.

Se houver algum movimento dessa natureza, as transportadoras garantem o abastecimento do país, desde que seja garantida a segurança nas rodovias.

Atualizada às 16h41