Você está lendo...
Caminhões Volkswagen vão usar motores Scania
Notícias

Caminhões Volkswagen vão usar motores Scania

Plano global do Grupo Traton, que também é dono da Navistar e da MAN, prevê ainda o compartilhamento de chassis e sistemas eletrônicos

Redação

24 de mai, 2022 · 6 minutos de leitura.

Grupo Traton
Traton Group
Crédito:Grupo Traton/Divulgação
Grupo Traton

A Traton, dona de ScaniaVolkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO)MAN Truck & BusNavistar e RIO, vai ampliar o compartilhamento entre as marcas do grupo. Assim, a companhia está quer criar um sistema modular para ser utilizado por todos os caminhões e ônibus dessas empresas. O objetivo é permitir o desenvolvimento e a aquisição de componentes, bem como sua produção de forma integrada. Com isso, a meta é reduzir os custos e aumentar a competitividade.

Leia também: Iveco conquista 10% de mercado no Brasil e quer crescimento sustentável

Portanto, todas as empresas do Grupo Traton deverão compartilhar componentes, peças e sistemas. Sobretudo no caso do trem de força e cabines. Do mesmo modo, serão compartilhados itens como plataformas, chassis e software. Ao mesmo tempo, cada marca deverá manter sua identidade. Bem como a oferta individual de produtos e serviços.


Componentes compartilhados

Para isso, o Grupo Traton estabeleceu um cronograma que prevê o desenvolvimento de motores que atendam todos os veículos de suas marcas. Trata-se da Common Base Engine (CBE), focada em motores a combustão. O primeiro fruto da CBE é o seis-cilindros de 13 litros que equipa o Scania R 460 europeu.

Nesse sentido, o novo motor chegará à linha Navistar já em 2023. Da mesma forma, equipará caminhões da MAN em 2024. Por fim, os modelos da Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO) receberão esses motores a partir de 2028.

"Com o sistema modular Traton, é possível resolver um dilema comum na indústria. Ou seja, combinar escala sob medida. Padronizando as interfaces em todo o grupo. O que permitirá o acelerar o desenvolvimento tecnológico", diz o CEO do Grupo Traton, Christian Levin. 


Seja como for, é provável que a CBE seja a última plataforma de motores a combustão do grupo. Isso porque a estratégia da Traton prevê novos investimentos apenas no desenvolvimento de veículos com propulsão elétrica.

Metas ambiciosas

O Grupo Traton também divulgou a previsão de lucro sobre vendas de cada uma de suas subsidiárias. No caso da Scania, o retorno esperado é de 12%. Boa parte dessa projeção é baseada na oferta de produtos do novo sistema modular. Assim como nas operações na China, onde a marca terá instalações em breve.

Da mesma forma, na Europa, o lucro sobre as vendas de caminhões e ônibus da MAN deverá ser de 8%. Para isso, a empresa também aposta na ampliação da oferta de serviços. Vale ressaltar que no Brasil, o grupo vem reposicionando a marca. Como parte desse processo, lançou a gama Meteor, da VWCO, que utiliza a cabine do MAN TGX, que acaba de sair de linha.


Grupo Traton é dono da Scania, VWCO, Navistar e MAN
O CEO do Grupo Traton, Christian Levin, e a CFO, Annette Danielski; Foto: Grupo Traton

Volkswagen em crescimento

Portanto, com o lançamento de novos produtos a VWCO vem crescendo bastante. Nesse sentido, em 2021 foi a que líder de vendas no Brasil. Assim, superou a Mercedes-Benz, que ocupava o posto havia seis anos. Além disso, a empresa vem ampliando suas exportações. Para isso, aposta inclusive no caminhão e-Delivery, modelo 100% elétrico feito no País.

Da mesma forma, a Navistar já colhe os efeitos positivos da utilização do sistema modular. Nesse sentido, colabora o aumento da oferta de serviços, que resultou no melhor desempenho das concessionárias. De acordo com a Traton, a meta de retorno sobre as vendas da marca é de 9%. 


"Focamos a rentabilidade sustentável", diz a CFO do grupo, Annette Danielski. Segundo ela, as metas são ambiciosas. "Porém, se baseiam em um conjunto bem definido e detalhado de medidas e iniciativas."