Redação

21.08.2020 | 17:28

VW inicia produção do caminhão elétrico e-Delivery

Primeiras unidades do caminhão elétrico Volkswagen e-Delivery chegarão ao mercado no primeiro semestre de 2021 em configurações com 11 e 14 toneladas de PBT

Caminhão e-Delivery começa a ser produzido em Resende
Crédito: VWCO/Divulgação

A Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO) iniciou nesta semana produção do caminhão elétrico e-Delivery. O modelo, que foi desenvolvido no Brasil, está sendo feito na fábrica da empresa em Resende, no Rio de Janeiro. As vendas terão início no primeiro semestre de 2021, segundo informou o CEO da empresa, Roberto Cortes, em live transmitida na quarta-feira (19) pelo canal do Estadão no YouTube.

Os caminhões elétricos começaram a ser montados na fábrica-laboratório da VWCO (veja o vídeo abaixo). As unidades de pré-série servem para treinar os operadores da linha de montagem e do Consórcio Modular. A área, também chamada de Planta Piloto, é responsável pela definição e confirmação do processo produtivo. Por meio desse mapeamento, está sendo realizada a adequação da produção em série do e-Delivery.

LEIA TAMBÉM: Volkswagen terá caminhões pesados de longas distância e 2021

Os ensaios são realizados também em outros laboratórios e no campo de provas da VWCO. Seis meses de testes na pista podem simular o equivalente a dez anos de condições de rodagem, de acordo com informações da VWCO.

“Quando amadurecemos o processo produtivo na linha experimental em Resende, começamos a consolidar nosso know how na manufatura de veículos elétricos. E avançamos no desenvolvimento de um portfólio focados na validação estrutural, de durabilidade e outros requisitos funcionais do caminhão elétrico e-Delivery”, diz o presidente e CEO da VWCO, Roberto Cortes.

Processos de produção do e-Delivery

As equipes de produção estão recebendo treinamento específico para veículos elétricos. Isso porque há demandas diferentes das de caminhões com motor a combustão. É o caso da primeira energização, por exemplo, em que a tensão superior a 600 volts. Todo o time vem sendo capacitado com os processos de segurança relativos ao novo produto.

A infraestrutura da fábrica da VWCO também está em atualização por causa da nova realidade elétrica. Foram instalados equipamentos capazes de recarregar as baterias do e-Delivery em cerca de uma hora. Os dispositivos serão utilizados para atender os veículos de teste. Essas unidades compõem a frota de certificação antes do início da produção em série.

e-Consórcio foca na eletromobilidade

A VWCO é a primeira empresa a desenvolver e produzir um caminhão elétrico no Brasil. Como parte do processo, a companhia criou o e-Consórcio. Trata-se de um modelo de negócio que vai da montagem do veículo até a instalação da infraestrutura de recarga das baterias. O grupo inclui Bosch, CATL, Moura, Semcon, WEG, Meritor e Siemens.

As sete empresas participam das fases de montagem do e-Delivery dentro da fábrica da VWCO em Resende. Trata-se de uma estrutura de construção modular, no qual cada companhia é responsável por uma parte do processo. O resultado é o aumento da produtividade aliado à redução dos custos.

e-Delivery rodou 30 mil km em testes

O caminhão elétrico e-Delivery chegará ao mercado no primeiro semestre de 2021. Serão duas opções de Peso Bruto Total (PBT): 11 e 14 toneladas. O modelo vem sendo testado pela Ambev há pelo menos dois anos. As unidades de teste são utilizadas em operações regulares da fabricante de bebidas.

Esses caminhões operam na cidade de São Paulo. E no início do ano, a frota elétrica atuava na distribuição de bebidas. Após a decretação da pandemia, o e-Delivery passou a ser utilizado para distribuição em supermercados.

Desde o início dos testes, a Ambev deixou de emitir mais de 22 toneladas de CO2 na atmosfera. A redução do consumo de óleo diesel passa de 6.500 litros, segundo dados da empresa.

Caminhão elétrico tem 200 km de autonomia

O motor elétrico do e-Delivery gera até 260 kW (equivalentes a 348 cv) de potência. O torque é de cerca de 233 mkgf. Não há transmissão, uma vez que a força é enviada diretamente ao eixo de tração. isso reduz a perda de energia e o custo de manutenção, por exemplo. De acordo com dados da VWCO, mesmo que esteja totalmente carregado, o caminhão pode arrancar em rampas com inclinação de até 30% sem dificuldade.

Baterias ficam na parte central

Assim como a maioria dos veículos elétricos, o e-Delivery recupera parte da energia das frenagens. Para isso, utiliza um sistema que, grosso modo, tem funcionamento parecido com o de um dínamo. Isso ocorre em descidas e quando o motorista tira o pé do acelerador.

O sistema pode, segundo a VWCO, mais de 40% da energia gerada nesse processo. É possível ajustar a intervenção em três níveis. No mais alto, quando o motorista deixa de acelerar, se o caminhão estiver no plano ou em subidas, pode praticamente parar.

As baterias de íons de lítio ficam localizado na parte central do chassi do caminhão. Com isso, além de não “roubar” espaço, colabora para uma distribuição de peso mais equilibrada. O conjunto garante autonomia de cerca de 200 quilômetros entre as recargas.

Esse número varia de acordo com a configuração do modelo. E também depende do tipo de utilização. Nessa conta não está incluída a energia recuperada nas reduções de velocidade, segundo informações da fabricante. Para reduzir o consumo de eletricidade e, consequentemente, o custo operacional, há um controle inteligente que pode ser programado para realizar as recargas nos horários de menor demanda da rede elétrica.

Graças aos bons resultados dos testes e ao arranjo técnico do e-Delivery, a Cervejaria Ambev confirmou a compra de uma frota de caminhões elétricos. O contrato prevê a entrega de de 1.600 caminhões e-Delivery.

Os novos veículos atuarão na distribuição de bebidas em todo o País. Isso significa que, até 2023, mais de um terço da frota que atende a cervejaria será composta por veículos movidos a eletricidade.

Notícias relacionadas