Volvo e Scania deixam a Ford Caminhões para trás

Ao fim do primeiro trimestre, as marcas de origem sueca assumem o terceiro e o quarto lugares no ranking de vendas

Volvo e Scania assumem o terceiro e o quarto lugares no ranking de vendas, respectivamente, deixando a Ford em quinto lugar
Volvo assume o terceiro lugar no ranking de vendas ao fim do primeiro trimestre

A maior demanda por caminhões pesados nos últimos três meses tirou da Ford Caminhões seu habitual terceiro lugar no ranking de vendas das marcas. Superada pelos desempenhos da Volvo e da Scania, a fabricante de São Bernardo do Campo (SP) teve de se contentar em encerrar o primeiro trimestre na quinta posição.

Baseado no balanço dos três primeiros meses da Fenabrave, a federação que representa as concessionárias no País, a Ford acumulou no período vendas de 1.669 unidades,  volume que representou alta de 10,1% sobre o mesmo trimestre do ano passado (1.516 caminhões) e participação de 11,38% no mercado total de caminhões, de 14.699 unidades. Com isso, a Ford perdeu pouco mais de 4 pontos porcentuais em relação ao fim do primeiro trimestre de 2017, quando na ocasião tinha 15,67%.

Na soma dos emplacamentos dos três últimos meses, Volvo e Scania viram suas vendas crescerem de maneira expressiva. A primeira, anotou alta de 69% com 1.781 unidades negociadas, o que permitiu garantir o terceiro lugar no ranking e participação de 12,14% das vendas totais. Já a principal rival sueca, anotou alta de 61,5% nos licenciamentos para 1.741 caminhões vendidos ou 11,87% do mercado, passando a ocupar a quarta posição do ranking. Cabe lembrar, que ambas participam somente das categorias de pesados e semipesados.

Passados os primeiros três meses, a corrida pela liderança ficou ainda mais acirrada. A Mercedes-Benz encerrou o período na frente com participação de 29,4% ao registrar 4.311 caminhões licenciados, crescimento de 36,7% sobre os 3.153 emplacamentos anotados no mesmo período do ano passado.

Na vice-liderança ficou a Volkswagen Caminhões com 3.917 caminhões vendidos, crescimento de 81,42% na comparação com o volume anotado um ano antes, de 2.159 unidades. O resultado proporcionou à montadora encerrar o período com 26,7% de participação no mercado.

Se, no entanto, considerar no resultado a soma dos 289 licenciamentos de pesados MAN do acumulado do primeiro trimestre, a MAN Latin America chega bem perto da Mercedes-Benz, com 4.206 unidades emplacadas ou 28,7% do mercado.

Em sexto lugar a Iveco experimentou no primeiro trimestre do ano crescimento nas vendas de 45,6%, para 565 caminhões, volume que representou fatia de 3,85%. Logo depois, a novata DAF segue sua escala no mercado com vendas de 375 unidades, alta de 128% sobre o volume registrado nos mesmos três primeiros meses de 2017, de 164 licenciamentos. O desempenho permitiu à fabricante aumentar participação de 1,7% que tinha, para 2,56% de agora.

Completa o ranking a MAN na oitava posição ao terminar o primeiro trimestre com 1,97% do mercado, a Agrale com 13 caminhões vendidos (0,09%) de participação e a Foton, que vendeu apenas dois veículos no período.


Notícias relacionadas