Você está lendo...
Rodovias brasileiras pioram para níveis de 2017, aponta CNT
Gestão

Rodovias brasileiras pioram para níveis de 2017, aponta CNT

Pesquisa CNT 2011 que avaliou 109,1 mil km de rodovias do Brasil sob administração privada constatou que 61,8% apresentam problemas

Décio Costa

06 de dez, 2021 · 5 minutos de leitura.

Mais de 60% das rodovias do Brasil revelam condições insatisfatórias
pesquisa CNT
Crédito:Divulgação
Mais de 60% das rodovias do Brasil revelam condições insatisfatórias

As rodovias do Brasil tiveram uma grade queda de qualidade. Pesquisa CNT de Rodovias 2021 revela que 61,8% das rodovias pavimentadas do Brasil têm algum tipo de problema. Dos 109.103 quilômetros avaliados, cerca de 67.400 km receberam classificação regular, ruim e péssimo. Além disso, 91% são estradas não privatizadas. "Com isso, voltamos ao padrão de qualidade de 2017", afirma o diretor executivo da CNT, Bruno Batista.

LEIA TAMBÉM: Unimog que era do Exército agora encara trilhas com empresário paulista

Da mesma forma, houve piora nas condições em relação a 2019. Assim, a classificação ótimo e bom caiu de 32,5% há dois anos para 28,2% agora. Já os trechos avaliados como regular, ruim e péssimo aumentaram de 67,5%, em 2019, para 71,8% em 2021. Segundo a CNT, mais 2,7 mil km de rodovias do País foram classificados como inadequados.


De acordo com Batista, o estudo comprova o efeito negativo da queda de investimentos. Sobretudo do setor público. "Os investimentos em rodovias recuaram em 2021". De acordo com ele, nos últimos dois anos esses recursos representaram apenas 0,09% do PIB.

Investimento em rodovias federais é 57,5% menor

Segundo a pesquisa, de 2016 a 2020 o investimento feito pelas concessionárias foi de R$ 7,16 bilhões. No caso do governo federal, foram R$ 8,90 bilhões. Contudo, embora o investimento estatal tenha sido maior, na prática o cenário é outro. Dessa forma, cada quilômetro concedido recebeu R$ 381 mil em investimentos e cada km gerido pelo governo recebeu R$ 162 mil. Ou seja, foi 57,5% menor.

Com isso, a manutenção e a pavimentação das rodovias do Brasil ficou abaixo do adequado. "Há um gargalo na evolução das rodovias. De 2010 a 2020, somente 225 km receberam pavimentação por ano. Isso é muito pouco", diz o diretor da CNT. Porém, ele não informou qual seria o número mínimo ideal.


Considerando apenas a qualidade do pavimento, houve queda de 6 mil quilômetros classificados como ótimo. Por outro lado, os trechos considerados como ruim e péssimo aumentaram 4 mil km. "Com isso, as rodovias, em geral, não evoluíram nos últimos cinco anos", avalia Batista.

Em rodovias ruins, custo operacional aumenta 30,9%

Como resultado, a queda da qualidade gera alta nos custos de manutenção. Ou seja, tanto da rodovia quanto das operações dos usuários. Isso porque veículos que circulam em rodovias ruins quebram mais e consomem mais combustível. Segundo a CNT, em rodovias ruins o custo operacional do transporte é, em média, 30,9% maior.

Segundo o estudo da CNT, a alta no consumo de combustível gerou prejuízo de R$ 4,21 bilhões aos transportadores de carga em 2021. Além disso, houve aumento do volume de emissões de poluentes. De acordo com a CNT, mais de 2,5 milhões de toneladas de CO2 foram lançadas na atmosfera. Da mesma forma, em estradas inadequadas o risco de acidentes aumenta muito.


Para melhorar as condições de 92,7 mil km com problemas, é preciso investir R$ 82,5 bilhões. Segundo o estudo da CNT. Assim, R$ 62,9 bilhões seriam para recuperar ou restaurar 41,6 mil km de rodovias. E R$ 19,6 bilhões para a manutenção de 51,1 mil km de trechos desgastados.