Aline Feltrin

28/10/2020 - 4 minutos de leitura.

Scania reduz 30% de CO2 com laboratório de logística

O laboratório de logística da Scania testa e coloca em prática as soluções de transporte sustentável da empresa com tecnologias que são aplicadas a logística de recebimento e, também, de entregas de materiais

Scania
Crédito: Divulgação/Scania

Pouco depois de chegar a 50 caminhões a gás vendidos no Brasil, a Scania comemora mais um passo rumo à sua meta de reduzir globalmente 50% de emissão de gás carbônico. O chamado laboratório de logística, criado em 2017, foi responsável pela redução de 30% de emissão de CO2 de caminhões em três anos de funcionamento. O laboratório testa e coloca em prática as soluções de transporte sustentável da empresa. E utiliza tecnologias que são aplicadas a logística de recebimento e, também, de entregas da própria Scania.

Além da redução de CO2, houve diminuição de 40% no consumo de combustível. E de 20% nos custos de operação. São 28 caminhões monitorados, sendo quatro deles movidos a gás natural veicular. Os veículos pertencem a quatro transportadoras parceiras envolvidas na operação.

Laboratório da Scania ajuda na gestão da frota

O laboratório analisa diariamente as entregas que os fornecedores deverão fazer. E, com base nesta informação, calcula a rota ideal para o transporte. Além disso, monitora em tempo real a carga, o caminhão e o motorista para que o transporte tenha a máxima eficiência energética.

Vice-presidente de logística da Scania Latin America, Adolpho Bastos diz que o laboratório de logística abriu oportunidades de melhorias em toda a cadeia logística para a Scania e seus parceiros.

“Com o rastreamento, os motoristas podem evitar tráfego em trechos congestionados. E também  adequar a sequência de trechos da rota em tempo real. Isso também permite obter dados para o controle de abastecimento, quilometragem percorrida, horas trabalhadas e horas paradas. E outras informações relevantes, promovendo a economia de energia e a redução dos custos operacionais”, complementa Bastos.

Esse monitoramento só é possível graças a conectividade dos veículos que fornece dados sobre os caminhões como a posição geográfica e dados da operação, manutenção e condução do motorista. Segundo informações da Scania, esses recursos permitem aplicar inteligência ao negócio. O que significa aumento da eficiência de energia e queda do custo operacional.

Adolpho Bastos conta que essa gestão feita “dentro da casa da Scania” tem gerado interesse de empresas do setor de transporte e, também, de outros segmentos.

Notícias relacionadas