Andrea Ramos

28/01/2021 - 10 minutos de leitura.

Teste: ônibus Volare Attack 8 4×4 vai bem no fora de estrada

A fabricante de ônibus Volare desenvolveu o microônibus Attack 8 para o transporte de funcionários nos campos de minério

Volare Attack 8
Volare Attack 8 Crédito: Leo Souza/Estadão

A Volare cedeu, com exclusividade ao Estradão  o ônibus Attack 8 com tração 4×4. O modelo é focado no transporte de trabalhadores de campos de mineração. Ou seja, o Attack 8 4×4 traz várias soluções para garantir a resistência no fora de estrada. O preço do Attack 8 4×4 é de cerca de R$ 450 mil

Engenheiro de desenvolvimento da Volare, Roberto Poloni diz que esse é o foco do modelo. No entanto, o Attack 8 4×4 também pode trafegar em vias pavimentadas, como no asfalto.

LEIA TAMBÉM: Queda do número de passageiros faz do Volare Fly 10 uma boa aposta

Nesse sentido, há um sistema que permite mudar a tração de 4×4 para 4×2 e vice-versa. O dispositivo é acionado por meio de um interruptor no painel. Além disso, há uma chave do lado de fora, próximo ao eixo dianteiro. Ou seja, é possível fazer a operação também manualmente.

Segundo Poloni, não há problema em rodar o tempo todo com a tração 4×4 acionada. “Ou seja, isso não compromete a durabilidade. O sistema é dimensionado para suportar as exigências severas dos campos de mineração”, diz.

Porém, para rodar no asfalto, mesmo que em trechos curtos, o engenheiro da Volare recomenda que seja acionado o 4×2. Assim, o Attack 8 4×4 rodará “mais livre”. Nesse modo, haverá menor desgaste do eixo cardan e do diferencial. “Além disso, o cliente economizará combustível”, diz Poloni.

Componentes que denotam a robustez

Por opera em locais de difícil acesso, o Volare Attack 8 4×4 tem maior distância em relação ao solo. Além disso, há rodas e pneus especiais feitos para encarar o fora de estrada.

Da mesma forma, há reforços estruturais e suspensão traseira mais robusta. Além disso, a longarina do chassi é feita de uma liga especial de aço. Logo, torna o ônibus da Volare ainda mais robusto.

Conjunto da obra

Assim também, o motor escolhido dá conta do recado. Trata-se do Cummins ISF de 3.8 litros e quatro cilindros turbodiesel que gera 152 cv de potência a 3.200 rpm. O torque de 45,9 mkgf é entregue entre 1.100 rpm e 1.900 rpm. O transmissão é a Eaton FSO 4505 C, de cinco velocidades.

Em movimento, a caixa chamou a atenção pela suavidade nas trocas de marcha. O sistema é tão fácil de usar que chega a destoar de um ônibus voltado à operações no fora de estrada.

A boa entrega de torque a partir de rotações baixas permite vencer facilmente terrenos com grande desnível. Avaliamos o Volare Attack 8 4×4 na pista de testes da Randon, em Caxias do Sul (RS).

Portanto, foi possível comprovar a versatilidade do modelo. Em outras palavras, o Attack 8 4×4 oferece muito vigor nas arrancadas. E dispõe de força para vencer trechos acidentados.

Nesse sentido, com a segunda marcha engatada e com o ônibus rodando a 20 km/h, o motor girava abaixo das 1.000 rpm. Ou seja, ainda dispunha de muita força para vencer os aclives.

Dimensões acertadas

O Volare Attack 8 4×4 tem peso bruto total (PBT) de 3 toneladas e 3.750 mm de distância entre os eixos. Isso garante agilidade e permite rodar em baixa velocidade sem esforço.

A facilidade na realização de manobras também chamou a atenção. Nesse sentido, contribuem o comprimento da carroceria, de 7.420 mm. Assim como a largura, de 2.200 mm. A altura do ônibus da Volare é de 3.192 mm.

Do mesmo modo, a suspensão contribui para o conforto sobre piso acidentado. A da dianteira tem molas parabólicas e a da traseira é semielíptica. O sistema inclui amortecedores telescópicos de dupla ação na frente e atrás.

Assim, a carroceria do Volare Attack 8 4×4 sacode pouco. Em outras palavras, o ônibus da Volare oferece conforto mesmo ao rodar no fora de estrada severo.

O isolamento acústico também é digno de nota. Nesse sentido, contribui para tornar a viagem mais agradável para os passageiros.

Segurança a bordo

O Volare Attack 8 4×4 avaliado pelo Estradão foi feito para rodar em campos de mineração no Chile e no Peru. Ainda assim, atende a norma europeia R6682 de resistência a tombamento lateral.

Isso porque os principais clientes são mineradoras de origem europeia que atuam na América do Sul. Portanto, em caso de tombamento há uma “célula de sobrevivência”. Ou seja, os passageiros ficarão mais seguros.

Além disso, fazem parte dos itens de segurança os freios ABS com EBD. Ou seja, distribuição eletrônica das forças de frenagem.

Sob o mesmo ponto de vista da segurança, de série há câmara na traseira e iluminação de indicação de posição com Giroflex. Bem como suporte para haste de indicação por altura e ar-condicionado.

Volare Attack 8 leva 19 pessoas

O Volare Attack 8 4×4 tem capacidade para 18 passageiros mais motorista. E, apesar de seu habitat ser o fora de estrada, o acabamento é caprichado.

Nesse sentido, as poltronas são revestidas de vinil e há cintos de segurança de três pontos para todos os passageiros. Além disso, o assoalho é de compensado naval revestido de silício imitando uma passadeira. Assim, além de deixar o ambiente agradável, a superfície é fácil de limpar.

O Attack 8 4×4 também tem parede com porta que separa o motorista dos passageiros. Assim como cortinas, painel eletrônico que indica o itinerário, porta-copos e porta-pacotes com rede de proteção. E também indicador de velocidade em tempo real no salão.

As empresas de mineração estão entre as principais compradoras do Attack 8. A Volare aposta que as vendas voltarão a crescer em 2021. Isso porque há uma forte tendência de recuperação do setor.

O modelo começou a ser produzido em 2017. Desde então, foram exportadas 350 unidades para o Chile e o Peru

As 30 unidades exportadas em 2020 tinham o Biosafe. Trata-se de um sistema de biossegurança feito pela Marcopolo, dona da marca Volare. Há, por exemplo, balaústres e pega-mão com revestimento antibacteriano.

Vale ressaltar que Marcopolo foi a primeira empresa do setor no Brasil a desenvolver esse tipo de solução. Dessa forma, conseguiu reduzir o impacto causado pela pandemia do novo coronavírus no setor de transporte coletivo.

Ficha técnica

Cabine 18 passageiros
Entre-eixos (mm) 3.750
Motor Cummins ISF 3.8, 152 cv a 2.600 rpm/45,9 mkgf de 1.100 a 1.900 rpm
Transmissão Eaton FSO 4505, de cinco velocidades
Peso em ordem de marcha (kg) 7.560  
PBT (kg) homologado 3.000
Eixo dianteiro 4:10 Dana 267
Eixo traseiro  4:10 Dana M286
Preço R$ 450 mil

 

Notícias relacionadas