Andrea Ramos

05/02/2021 - 8 minutos de leitura.

Scania vende seu primeiro ônibus a gás no Brasil

Turis Silva Transportes vai operar com ônibus a gás no fretamento para Gerdau. Modelo da Scania vai rodar 190 km por dia, de Porto Alegre a Charqueadas, RS

Ônibus a gás
Ônibus a gás Crédito: Scania/Divulgação

A Scania vendeu seu primeiro ônibus a gás no Brasil. Com carroceria Marcopolo, o modelo foi encomendado pela Turis Silva Transportes, do Rio Grande do Sul.

Logo, o ônibus a gás percorrerá a rota entre Porto Alegre a Charqueadas. Ou seja, vai rodar cerca de 190 km por dia. Assim, fará o transporte dos colaboradores da usina de aços especiais da Gerdau.

A unidade da companhia siderúrgica fica no município que faz parte da região metropolitana da capital gaúcha. O ônibus a gás está em fase final de homologação, segundo a empresa. Portanto, deve entrar em operação até abril.

Chassi tem motor Otto a gás de 320 cv

O chassi Scania do ônibus a gás é o K 320 4×2. O modelo tem motor traseiro com potência de 320 cv. De ciclo Otto, pode rodar com 100% de gás, biometano ou mistura de ambos. Dessa forma, atende à norma de emissões de poluentes Proconve 8 (equivalente ao Euro 6).

Além disso, foram instalados oito cilindros de gás na lateral dianteira do chassi. Assim, a autonomia chega a 300 km. Contudo, a Scania informa que avaliará as necessidades dos clientes caso a caso.

Segundo a empresa, é possível instalar mais cilindros para ampliar a autonomia. Enfim, não é preciso fazer alterações significativas nos projetos das carrocerias.

De acordo com a Scania, o sistema é altamente seguro. Nesse sentido, há três válvulas (vazão, pressão e temperatura) que podem liberar o gás em caso de anomalia.

Além disso, os cilindros são feitos de material altamente resistente. Portanto, em caso de acidente, o gás é liberado de forma a evitar risco de explosão.

Marcopolo G7 é a carroceria eleita

A Marcopolo escolheu a carroceria Paradiso New G7 1050 para equipar o ônibus histórico. Logo, o conforto a bordo aos 44 passageiros está presente por meio de acesso à internet, TV digital a bordo, poltronas semileito, sistema de monitoramento por câmeras, tomadas USB individuais, sistema de ar-condicionado e monitores no salão de passageiros.

Todavia, nesse período de pandemia pelo novo coronavírus, a Marcopolo introduziu ainda algumas de suas soluções de biossegurança. Dessa forma, o sanitário e o sistema de ar-condicionado possuem lâmpadas UV-C para desinfecção dos ambientes. As cortinas são produzidas com material antimicrobiano. Nesse sentindo, há ainda dispenser de álcool em gel na entrada da escada de acesso.

Mercado para caminhões e ônibus a gás da Scania

Segundo o diretor de vendas de soluções da Scania no Brasil, Silvio Munhoz, em 2020 a empresa vendeu 70 caminhões a gás no Brasil. Além disso, a fabricante fornece motores estacionários a gás para geração de energia.

Em 2020, a fabricante vendeu um total 1.800 motores a gás no País. A maior parte é destinada à geração de energia.

De acordo com Munhoz, um ônibus a gás destinado ao transporte urbano está a caminho. Ele disse que a novidade está em fase de homologação.

Além disso, a Scania vai oferecer linhas de créditos para o financiamento de veículos de baixa emissão de carbono. Ou seja, os veículos a gás vão estar incluídos. A forma como essa modalidade de crédito será oferecida está sendo discutida com o BNDES.

Infraestrutura de abastecimentos

Contudo, a ampliação da oferta de ônibus a gás depende da expansão da infraestrutura de distribuição do combustível. Segundo Munhoz, o País ainda precisa avançar bastante nesse sentido.

“O Brasil ainda não está pronto, mas vem trabalhando para melhorar. Quando iniciamos essa jornada, a primeira providência foi levar a discussão a distribuidoras e fabricantes de equipamentos. A ideia é viabilizar o abastecimento para o operador que compra o veículo a gás em pontos estratégicos. E com a velocidade necessária”, afirma o executivo.

Ônibus a gás tem dois tipos de bico de abastecimento

Nesse sentido, Munhoz diz que há avanços sendo feitos em pontos estratégicos onde o gás natural já está disponível. “Os investimentos estão sendo feitos para tornar o abastecimento rápido”, afirma.

Além disso, Munhoz informa que os caminhões e ônibus a gás vêm com dois tipos de bico de reabastecimento. Um é igual ao utilizado em automóveis. Porém, como caminhões e ônibus têm mais cilindros, o tempo necessário para abastecer ainda é grande.

Ao mesmo tempo, a marca oferece o bico de maior vazão. Porém, a rede de abastecimento ainda sendo preparada para atuar com esse sistema.

Biometano pode ser boa opção

De maneira idêntica ao gás, o biometano pode ser um combustível interessante no Brasil. Segundo Munhoz, a produção do biogás vem crescendo no País. Porém, esse combustível ainda foca a geração de energia elétrica.

“Com a aplicação veicular, haverá aumento da oferta”, afirma. De acordo com ela, há várias empresas dedicadas à distribuição.

Além disso, companhias de gás nas regiões Sul e Sudeste estão desenhando as chamadas rotas azuis. Ou seja, mais pontos de abastecimento preparados para atender também os veículos pesados..

Notícias relacionadas