Mercado

Ônibus: Caminho da Escola e fretamento puxarão vendas em 2021

O setor de ônibus amargou resultados negativos em 2020. Por causa da pandemia, a queda nas vendas deverá ser de... leia mais

Aline Feltrin

15 de out, 2021 · 5 minutos de leitura.

Novas gerações dos caminhões DAF XF e XG têm registro no Inpi" >
Novas gerações dos caminhões DAF XF e XG têm registro no Inpi
Crédito:DAF/Divulgação
Novas gerações dos caminhões DAF XF e XG têm registro no Inpi

Os DAF XF e XG de nova geração só agora começam a ser feitos na Europa. Porém, já tiveram os desenhos industriais registrados no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). Isso inclui imagens das cabines, bem como de componentes. Por exemplo, um deles é da câmera que vai substituir os espelhos retrovisores convencionais. O novo XF foi flagrado em maio deste ano rodando em testes na Holanda.

Com isso, fica claro que a DAF pretende vender os novos XF e XG no Brasil. Porém, a marca não confirma a informação. Em nota enviada ao Estradão a empresa informa que esse é um "procedimento padrão do grupo Paccar, detentor da marca DAF." De acordo com o o texto, isso é feito para garantir o direito exclusivo de uso de sua propriedade industrial. "Bem como evitar que terceiros os utilizem sem autorização."

Você também vai gostar de


No Brasil, a DAF acaba de renovar a linha XF. Assim, o caminhão atualizado chegou ao mercado em agosto. Também em 2021 estrou a gama CF - em março. Seja como for, o registro de patentes sinaliza o que a marca pretende lançar por aqui. Assim, os novos XF e XG, que estrearam na Europa em junho, são uma boa aposta. E antecipam o pacote de novidades em relação à cabine.

Novos caminhões DAF têm mais espaço

Assim, a gama representa uma evolução importante para as duas linhas. Entre os destaques está o maior espaço para o motorista. Nesse sentido, a cabine ganhou 330 mm de comprimento na parte traseira. Por sua vez, na dianteira a ampliação foi de 160 mm. Segundo a fabricante, isso garantiu melhorias importantes. Ou seja, o XG+ tem 12,3 m³, ou 14%, a mais que o XF. Isso na versão Super Space, considerada referência do mercado em termos de espaço.

A área de descanso dá uma boa ideia dessa evolução. A cabine do XG, por exemplo, ganhou cama de 2,2 metros de comprimento e 80 centímetros de largura. Além disso, a iluminação interna agora utiliza luzes de LEDs. Portanto, permite o ajuste de brilho e da cor. De acordo com a empresa, há um novo sistema automático de controle de temperatura que atua mesmo com o motor desligado.

Menor custo de manutenção

Segundo a DAF, na nova geração de caminhões o consumo é até 10% menor que o da anterior, Nesse sentido, colabora o desenho mais aerodinâmica da cabine. Bem como as atualizações nos motores MX-11 e MX-13. Como resultado, as revisões podem ser feitas a cada 200 mil quilômetros.

No caso dos motores de 11 litros, a potência varia de 370 cv a 450 cv. Já os de 13 litros podem gerar de 430 cv a 530 cv. Por sua vez, a transmissão é a TraXon, fornecida pela ZF. Trata-se de uma caixa automatizada de 12 velocidades com gerenciamento eletrônico.