Você está lendo...
Fiocruz comprova alto risco de pegar covid-19 em terminais de ônibus
Notícias

Fiocruz comprova alto risco de pegar covid-19 em terminais de ônibus

Estudo feito pela Fiocruz Pernambuco mostra que quase metade das 400 amostras colhidas em terminais rodoviários apresentaram a presença do vírus

Redação

12 de jul, 2021 · 4 minutos de leitura.

Fiocruz comprova maior risco de contaminação da covid-19 em terminais de ônibus
Fiocruz comprova maior risco de contaminação da covid-19 em terminais de ônibus
Crédito:Divulgação
Fiocruz comprova maior risco de contaminação da covid-19 em terminais de ônibus

A suspeita de que as pessoas estão mais expostas à covid-19 no transporte público ganhou uma prova científica. Assim, o estudo encabeçado pela Fiocruz Pernambuco mostra que o maior risco de contaminação está nos terminais de ônibus.

Nesse sentido, a instituição colheu 400 amostras de superfícies em diversos pontos de Recife. Ou seja, com grande fluxo e alta concentração de pessoas. E de parques púbico e praias, passando pelos terminais de ônibus.

Amostras da Fiocruz com o vírus colhida em terminais de ônibus

Assim, foram retiradas amostras de torneiras, catracas, leitores de biometria. Bem como de corrimãos, interruptores de luz e maçanetas. Dos objetos muito tocados, 97 tinham presença do novo coronavírus. Assim, 48,7% da amostra foi obtida em terminais de ônibus. Em especial de portais de autoatendimento e corrimãos.


Porém, a Fiocruz destaca que em nenhuma amostra o vírus estava ativo. Seja como for, isso revela os riscos dos terminais. Ou seja, ambientes onde há mais gente infectada circulando.

Fiocruz contribui com ações de saúde

Depois dos terminais de ônibus, as áreas próximas às unidades de saúde foram as que apresentaram o  maior risco de contaminação. Ou seja, 26,8% das amostras positivas. A lista inclui parques públicos (14,4%). Bem como mercados públicos (4,1%) e praias (4,1%).


De acordo com a Fiocruz, os resultados podem ajudar as autoridades de saúde. Portanto, contribuir com o estabelecimento de políticas para conter o avanço da doença.

Segundo o doutorando em biociências e biotecnologia em Saúde na Fiocruz Pernambuco, Severino Jefferson Ribeiro. Ou seja, o principal autor do artigo sobre o estudo

Falta apoio da população

Além disso, o ?trabalho permitiu observar que a população não está seguindo rigorosamente as medidas para prevenir a transmissão do vírus. Segundo Ribeiro, isso acaba refletindo no aumento descontrolado do número de casos de covid-19.


No mesmo sentido, o estudo classificou o tipo de material onde o vírus aparece com mais frequência. Assim, as superfícies metálicas foram as com maior risco de contágio. Em seguida estão as plásticas.