Andrea Ramos:

Startup Volta Trucks faz caminhão com cara de ônibus

A Volta Trucks, startup sueca , lança ano que vem um caminhão com cara de ônibus para ajudar na segurança dos pedestres e ciclistas no ambiente urbano

caminhão
Caminhão tem motores elétricos Crédito: Volta Trucks/ Divulgação

Da startup sueca Volta Trucks, o protótipo de caminhão HGT tem cara de ônibus. A empresa foi lançada em maio deste ano. Além de ser uma alternativa “limpa” para ambientes urbanos, o modelo elétrico é focado na melhoraria da segurança.

Entre as soluções inovadoras do HGT, o assento do motorista fica posicionado no centro da cabine. Além disso, o habitáculo fica na mesma altura dos pedestres, ocupando o local onde ficaria o motor de um caminhão convencional.

Par obter esse resultado, as baterias foram posicionadas na parte de baixo da carroceria. A empresa não informou detalhes técnicos nem onde o motor elétrico do HGT está posicionado.

Caminhão focado na segurança

O HGT é equipado com câmeras no lugar dos espelhos retrovisores. Com isso, o motorista tem maior ângulo de visão de todo o ambiente. Sensores espalhados por áreas consideradas como pontos cegos avisam sobre a aproximação de pedestres e obstáculos em caso de manobra.

Graças a cabine com ampla área envidraçada e a posição do motorista, a visão é do ambiente urbano é ampliada

 

O caminhão HGT, cujo PBT é de 16 toneladas, tem portas deslizantes. O objetivo é facilitar o embarque e desembarque, sobretudo em locais com espaço reduzido.

“Tivemos a preocupação com o bem-estar e a segurança do motorista. Para tornar o veículo mais seguro, o motorista deve se sentir seguro”, diz o fundador e CEO da Volta Trucks, Carl Magnus-Norden.

O executivo informa que os testes com o caminhão elétrico na Europa começarão no verão de 2020. Inicialmente, o HGT circulará por Londres e Paris.

Novo modelo de negócio

O caminhão da Volta Trucks será feito sob encomenda e entregue por meio de um contrato de serviço. Trata-se de uma espécie de aluguel com duração de aproximadamente sete anos.

O modelo de operação inclui instalação de infra-estrutura de recarregamento para as baterias. Haverá também treinamento do motorista e serviço de manutenção do veículo.

Com esse modelo de negócio, a startup espera ter cerca de 2 mil contratos por ano. A empresa não informou quando isso deverá acontecer.

Notícias relacionadas