Aline Feltrin

15.10.2020 | 18:05 Atualizado: 16.10.2020 | 9:28

Scania chega à marca de 50 caminhões a gás vendidos no Brasil

Os caminhões a gás foram vendidos para transportadoras como a Coopercarga e grandes embarcadores como a Pepsico. A fabricante espera vender mais 50 unidades até dezembro

Crédito: Divulgação/Scania

A Scania revelou nesta quinta-feira (15) que chegou à marca de 50 caminhões a gás natural veicular (GNV) vendidos no Brasil. A fabricante de origem sueca havia apresentado o modelo com esse combustível alternativo pela primeira vez na Fenatran de 2019, o maior salão de transportes da América Latina.

As unidades foram comercializadas para transportadoras e grandes embarcadores. Entre os compradores estão as empresas como Pepsico – que encomendou 18 unidades. O maior lote até o momento. E também RN Express, Jomed Log, Coopercarga e a TransMaroni, última a fazer uma encomenda de 11 unidades para atender ao Carrefour e JBS.

Vice-presidente das Operações Comerciais da Scania no Brasil, Roberto Barral diz que a projeção é vender mais 50 unidades até o fim deste ano. “Estamos tendo conversas com embarcadores e transportadoras. São empresas que têm demonstrado interesse nesse combustível alternativo”. Essas companhias são dos segmentos de minério de ferro, alimentos, bebidas e cosméticos.

Segundo o executivo, os transportadores, em especial, estão enxergando no caminhão a gás uma oportunidade para conseguir bons contratos com embarcadores. Esse é o caso da transportadora paulista RN Express. A empresa encomendou o primeiro modelo a gás na Fenatran. Depois comprou mais seis. Com os caminhões, a ela trabalha para grandes corporações como L’Oréal, Nestlé e Nespresso. Proprietário da RN, Rodrigo Navarro diz que a empresa deverá passar dos 15 caminhões nesse ano.

O caminhão a gás é, em média, 30% mais caro do que um modelo a diesel. Contudo, sua redução de emissões de CO2 é de até 15% menor no GNV e de até 90% no biometano na comparação a um similar a diesel.

Caminhões a gás para médias e longas distâncias

Segundo informações da Scania, o caminhão a gás já representa 1% da produção de caminhões na fábrica de São Bernardo do Campo, no ABC paulista. Por enquanto, a fabricante é a única a oferecer caminhão a gás no Brasil. A Iveco havia contado ao Estradão que terá novidades em breve para esse segmento.

Os caminhões pesados Scania movidos a gás natural veicular ou biometano são vocacionados para médias e longas distâncias. Seus motores são Ciclo Otto. Os motores não são convertidos do diesel para o gás. Têm garantia de fábrica, com tecnologia e desempenho  semelhantes ao caminhão a diesel. Segundo a Scania, são 20% mais silenciosos.

Notícias relacionadas