Você está lendo...
Scania já vendeu mais de 600 caminhões a gás no Brasil
Mercado

Scania já vendeu mais de 600 caminhões a gás no Brasil

No ano em que completa 65 anos de Brasil, Scania registra a marca de 600 caminhões GNV vendidos e as primeiras entregas da versão GNL

Andrea Ramos

18 de fev, 2022 · 8 minutos de leitura.

caminhões elétricos e a gás
Scania já vendeu mais de 600 caminhões a gás no Brasil
Crédito:Scania/Divulgação
Scania já vendeu mais de 600 caminhões a gás no Brasil

A Scania vendeu mais de 600 caminhões a gás no Brasil. Segundo a marca sueca, mais da metade dessa frota já está rodando. O restante será entregue ao longo de 2022. Conforme a fabricante, mais de 30 clientes compraram os modelos a gás. Primeira a avaliar o caminhão a gás da Scania no País, em 2019, a Morada Logística também é a pioneira na aquisição de veículos a gás liquefeito (GNL). A transportadora adquiriu cinco unidades.

Segundo o CEO da Morada Logística, André Leopoldo, os novos caminhões começam a rodar em breve em uma rota no interior do Estado de São Paulo. Vale lembrar que os caminhões a GNL têm autonomia de 1.200 km. Ou seja, o triplo da versão GNV, cuja média é de 400 km.

Leia também: Para VP da Mercedes, falta de chip vai continuar em 2022

De acordo com a empresa, os novos caminhões são do modelo R 410 6x2. Eles vão puxar carretas com três eixos espaçados. A transportadora também tem caminhões elétricos. Fornecidos pela JAC Motors, esses modelos atuam em Campinas (SP) em operações de carga fracionada.


Novos Scania a diesel são até 20% mais econômicos

A Scania também celebra a melhoria da eficiência de seus caminhões a diesel. Nos últimos três anos, a marca promoveu melhorias e desenvolveu novas tecnologias. Segundo a empresa, a redução do consumo de diesel é de até 20%. No mesmo sentido, houve queda das emissões de poluentes.

Da nova geração, foram vendidos mais de 40 mil caminhões. Segundo a Scania, essa frota rodou cerca de 4,1 milhões de km. Assim, esses modelos deixaram de queimar 200 milhões de litros de diesel. Isso na comparação com a geração anterior.

Scania já vendeu mais de 600 caminhões a gás no Brasil
Scania/Divulgação

Além disso, a marca informa que melhorou seu atendimento de modo a ampliar a disponibilidade dos caminhões. Nesse sentido, investiu na combinação da oferta de planos de manutenção programada e sistemas de conectividade. Como resultado, a economia nos custos de reparos pode chegar a 25%. Segundo informações da fabricante.

De acordo com a empresa, as vendas do chamado Programa de Manutenção Scania (PMS) devem crescer 29% em 2022. Além disso, a marca pretende abrir 15 pontos de atendimento no mesmo período. "Vamos seguir a jornada de evolução e chegar a quase 70 mil veículos conectados", diz o diretor comercial de serviços da Scania, Marcelo Montanha. Ele afirma que a participação de programas de manutenção nos veículos novos vai passar de 55% para 65%. "Além disso, 70% do serão planos flexíveis?, diz.

Expectativa é de crescimento de 9% do mercado em 2022

Em 2021, a Scania aumentou sua participação de mercado no Brasil em 4 pontos percentuais. Como resultado, passou de 8.690 caminhões vendidos em 2020 para 15.702 em 2021. Isso representa 23,6% de participação no segmento de pesados. Os modelos mais emplacados foram o R 450 6x2, com 6.418 unidades, e o R 540 6x4, com 3.512.


De acordo com estimativas da Scania, em 2022 o mercado deverá crescer cerca de 9%. Ou seja, se esse número se concretizar, serão vendidos em torno de 130 mil caminhões no Brasil. No caso dos ônibus, a marca informa que concorda com a previsão da Anfavea, a associação das montadoras. Como resultado, espera alta de 20% no mercado total.

Seja como for, o vice-presidente e diretor geral de operações especiais da Scania, Fabio Souza, diz que em 2022 os principais desafios serão ligados à questões econômicas e políticas. Assim, o executivo acredita que os efeitos da pandemia sobre o setor serão menores neste ano.

Scania já vendeu mais de 600 caminhões a gás no Brasil
Scania/Divulgação

Além disso, ele afirma que os problemas na cadeia de suprimentos vão continuar afetando a indústria. Porém, Souza afirma que há boas oportunidades no horizonte. Por exemplo, ele se refere à agricultura, que há tempos se descolou de questões políticas, bem como fatores externos. "Apesar de todos os problemas, o Brasil tem dinâmica própria. Alguns mercados, como o da agricultura, não não são atingidos", diz.

Espera por caminhão pode chegar a sete meses

Segundo o diretor de vendas de soluções da Scania, Silvio Munhoz, a falta de componentes é um dos principais desafios para a Scania. "Estamos produzido bem menos do que poderíamos. Todos falam muito dos semicondutores. Mas há outros gargalos e fornecedores nacionais sofrendo pela escassez da matéria-prima básica", afirma.

Como resultado, ele conta que a Scania não tem conseguido entregar as encomendas no tempo adequado. De acordo com Munhoz, dependendo do modelo, a previsão é de que as entregas só serão feitas a partir de outubro.


Scania já vendeu mais de 600 caminhões a gás no Brasil
Scania/Divulgação

Em 2021, a Scania iniciou um novo ciclo de investimentos no Brasil que vai até 2024. De acordo com a empresa, parte do R$ 1,4 bilhão será utilizado na modernização da fábrica para produzir os caminhões P8 (Euro 6). Segundo Munhoz, a venda desses modelos deve começar em meados de outubro. Ou seja, no mesmo período da Fenatran - a Scania já confirmou participação.

Além disso, a marca iniciou os testes com seus ônibus elétricos no Brasil. Porém, a empresa não revelou detalhes. Seja como for, não está descartada a possibilidade de o novo modelo chegar ao mercado até 2025. Ou seja, a fabricante já está em conversas com fabricantes de carrocerias.