Notícias

Movimento de caminhões cai 1,1% em 2020, mas ABCR aposta na recuperação

O movimento de veículos pesados nas estradas brasileiras, sobretudo de caminhões, caiu 1,1% em 2020. Apesar da recuperação a partir... leia mais

Redação

26 de nov, 2021 · 12 minutos de leitura.

Cobrança de pedágio no Paraná acaba esse fim de semana" >
Pedagio Praias
Crédito:Divulgação/Geraldo Bubniak/AEN
Cobrança de pedágio no Paraná acaba esse fim de semana

A cobrança de pedágio nas rodovias do Paraná termina neste final de semana. Dessa forma, o Governo local encerra os contratos com seis concessionárias. Contratos estes que se encerram, portanto, após 30 anos.

A maior parte da malha concedida é de rodovias federais delegadas ao Paraná. Por isso, o novo modelo de concessão está sendo construído entre os governos federal e estadual. Razão pela qual ainda não tem data para acontecer.

Você também vai gostar de


Assim, para o governador daquele Estado, Carlos Massa Ratinho Junior, a fim dos contratos encerra "uma novela trágica que travou o desenvolvimento do Paraná".

LEIA TAMBÉM: Cummins New Power investirá em eletrificação no Brasil

Sem tarifas, mas com melhorias

De acordo com informações da Agência Estadual de Notícias do Paraná (AEN), nesse intervalo, até que se realize uma nova concessão, o Governo do Paraná fará a manutenção das rodovias estaduais. Do mesmo modo, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) cuidará das rodovias federais. Além disso, o DNIT vai contratar um serviço de atendimento com guincho.

Ademais, uma força-tarefa organizada pela administração estadual, com apoio das forças de segurança e de equipes de atendimento de saúde, trabalham para garantir a segurança dos usuários. Bem como o tráfego nas pistas.

Contudo, algumas concessionárias ainda não concluíram obras em andamento nessas rodovias. Nesse sentido, essas empresas vão cumprir com os acordos já estabelecidos judicialmente. E as obras serão concluídas.

Cancelas estarão abertas

Todavia, a partir deste final de semana, os usuários que passarem pelas estradas encontrarão as cancelas abertas a partir da meia-noite de hoje (26) nas estradas, até então, concedidas para a Econorte, Viapar e Ecocataratas. E a partir da meia-noite do sábado (27), nas estradas do Caminhos do Paraná, Rodonorte e Ecovia.

resultado final da licitação das rodovias paranaenses foi divulgado no dia 18 de novembro. O valor total dos cinco lotes de R$ 93,5 milhões incluí execução de serviços ao longo de dois anos. E com a possibilidade de rescisão contratual, e sem penalidade para as partes envolvidas. Válida para os casos em que a conservação não será mais necessária com o início das novas concessões, devido à supressão dos serviços.

Segurança e emergência

Em caso de problemas na pista, motoristas que estiverem em rodovias federais (BR) podem ligar diretamente para o número 191. Atendimento da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Já os usuários que circularem pelas rodovias estaduais podem discar 198. Que direciona para a Polícia Rodoviária Estadual. Para casos de interrupção de pista e outras ocorrências, recomenda-se ligar para o 190, da Polícia Militar.

Do mesmo modo, em situações de acidentes com vítimas, o usuário deve ligar para o número 193. Número do Corpo de Bombeiros. E vale tanto em rodovia federal quanto em rodovia estadual. Os atendimentos serão realizados em parceria com a rede de Samu.

Continua depois do anúncio

Contudo, as rodovias cobertas pela Econorte continuam recebendo o atendimento da concessionária. A exceção se deve ao acordo firmado entre a empresa e o DER/PR. Com isso, a Econorte continua realizando serviços de guincho mecânico. Bem como de ambulâncias para atendimento pré-hospitalar. Mantendo o centro de controle de operações e telefone para emergências 0800. A medida tem validade um ano.

Em SP, já pedágios aceitam cartões

Os pedágios das rodovias Anchieta, Imigrantes, Ayrton Senna e Carvalho Pinto, em São Paulo, podem ser pagos com cartão de crédito e débito. A novidade começou a valer às 17h desta quinta-feira (30) em todas as praças das quatro estradas. A informação foi divulgada pela Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp).

A novidade funciona apenas por meio de sistema de pagamento por aproximação. Isso inclui pulseiras, relógios e smartphones equipados com NFC. Por meio do chamado Near Field Communication (comunicação de campo curto, em tradução livre) o usuário não precisa digitar nenhuma senha. O serviço só é valido para pagamentos inferiores a R$ 50.

O novo meio de pagamento faz parte de um projeto piloto. Por isso abrange apenas as quatro rodovias. O sistema Anchieta-Imigrantes, que liga a capital paulista ao litoral sul, é operado pala concessionária Ecovias. Já o corredor Ayrton Senna-Carvalho Pinto, que liga a capital ao litoral norte, é de responsabilidade da concessionárias Ecopistas. As duas concessionárias fazem parte do grupo EcoRodovias.

Menos filas nos pedágios

O programa piloto deve ajudar a reduzir o tempo de parada nas praças de pedágio. E também ampliará a proteção contra o coronavírus de motoristas e operadores dos caixas das praças de pedágio. Isso porque não há troca de objetos, como moedas e cédulas. E o usuário não precisará entregar o cartão ao caixa.

Para realizar o pagamento, basta que o motorista posicione o carro próximo ao local de cobrança. Após conferir o valor da tarifa, é só aproximar o cartão ou cartão, gadget do leitor. Assim que o pagamento for concluído, a cancela será liberada.

O novo sistema foi implantado nas 11 praças de pedágios das quatro rodovias. São sete da Ecovias e quatro da Ecopistas. As cabines que aceitam a nova modalidade de pagamento receberam uma sinalização especial.

Serviço será ampliado

O serviço que estreia agora em São Paulo já era oferecido em outras rodovias sob concessão do Grupo EcoRodovias. As praças de pedágio que já contavam com o sistema ficam nos Estados do Espírito Santo, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul. E também as da ponte Rio-Niteroi, no Rio de Janeiro.

De acordo com informações da Artesp, a ideia é que o sistema seja implantado em outras rodovias do Estado de São Paulo. A área de comunicação da agência não soube informar quando isso deverá ocorrer.

Atualmente a tarifa de pedágio mais alta do Estado é cobrada nas praças de Riacho Grande (Anchieta) e Piratininga (Imigrantes). O preço é de R$ 27,40 para carros de passeio. Veículos comerciais pagam esse valor por eixo. Portanto, nesses locais não poderão utilizar o novo sistema de pagamento.

Os pedágios de São Paulo ficaram, em média, 8,05% mais caros em julho. Assim, a tarifa mais alta do Estado, no sistema Anchieta Imigrantes, passou de R$ 28 para R$ 30,2. Ou seja, a alta foi de 7,86%. Segundo a Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC&Logística) o reajuste prejudica ainda mais o setor.

Seja como for, o reajuste está previsto nos contratos de concessão. Porém, a NTC&Logística informa que mesmo quem não utiliza as rodovias pagará a conta. Dessa forma, o aumento de custos dos produtos transportados por estradas com pedágios vai ser repassado ao consumidor.

LEIA TAMBÉM: Multa por falta de exame toxicológico começa valer amanhã, 1º de julho

De acordo com a associação, há uma forte pressão por reajustes ainda maiores. Nesse sentido, as concessionárias de rodovias estariam reivindicando um reequilíbrio dos contratos. Assim, a alegação é de que elas estão perdendo dinheiro por causa da redução no fluxo de veículos causada pela pandemia.

Maioria dos pedágios ficou mais cara

Enfim, as concessionárias que reajustaram os preços são CCR Autoban, AB Colinas, Ecovias, Intervias e Renovias. Assim como CCR SPVias, Tebe, AB Triângulo do Sol e CCR ViaOeste.

Da mesma forma, a ala foi aplicada pelas concessionárias CART, Ecopistas, CCR RodoAnel e Rodovias do Tietê. Bem como Rota das Bandeiras, SPMar e ViaRondon. Além disso, Tamoios e Entrevias fizeram o repasse da alta. Mas esses aumentos só valerão a partir de 6 de julho.

Ou seja, as cinco praças da concessionária Eixo-SP já estavam cobrando preços mais altos desde o início de junho. Por outro lado, 11 praças da ViaPaulista, na região de São Carlos, manterão os valores anteriores. Isso porque os contratos são diferentes dos demais.