Mercado de caminhões avança 43% no quadrimestre

Categoria de pesados impulsiona o desempenho e já participa 50% das vendas totais

Mercado de caminhões em alta Crédito: Foto: Scania

O ritmo de recuperação do mercado de caminhões segue acelerado no País. Segundo balanço consolidado pela Fenabrave, federação que representa a distribuição de veículos, as vendas do primeiro quadrimestre somaram 29,8 mil unidades, crescimento de 43% em relação ao acumulado dos quatro primeiros meses do ano passado, quando foram licenciados 20,8 mil caminhões.

Somente em abril, os emplacamentos do segmento totalizaram quase 8,5 mil unidades, volume que representou alta de 36,4% sobre os 6,2 mil caminhões vendidos no mesmo mês de 2017. Em relação a março, quando as vendas somaram 7,6 mil veículos, a expansão foi de 11,3%.

De acordo com o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior, os dois dias úteis a mais computados em abril na comparação com março, contribuíram com o comportamento positivo.  “O mercado como um todo manteve o ritmo de recuperação. A média diária de vendas cresceu 0,5%, o que para nós reflete a expectativa de aprovação das Reformas. Ao analisarmos o volume acumulado, observamos que existe uma gradual elevação nos índices de confiança do consumidor, impactados pela provável resolução deste assunto.”

Os pesados seguem com protagonistas da expansão das vendas. No acumulado do ano, os licenciamentos da categoria cresceram 62%, para 15,1 mil unidades contra os 9,3 mil emplacamentos registrados há um ano. O volume apurado já representa perto de 51% do total das entregas de caminhões nos quatro primeiros meses do ano.

Na disputa pelo mercado ao fim do primeiro quadrimestre, dentre as cinco fabricantes que mais venderam, a Mercedes-Benz manteve a liderança com 9,4 mil caminhões emplacados, o que representou participação de 31,7% das vendas totais. A Volkswagen Caminhões e Ônibus, na vice-liderança, negociou 6,8 mil unidades, garantindo 23% do mercado.

Em seguida, em terceiro lugar, ficou a Volvo, com fatia de 14,9%, ao registrar 4,4 mil veículos licenciados, a Scania, com 10,8% em virtude das 3,2 mil unidades vendidas, e a Ford, com 10,6% de participação, sinalizando que começa a perder fôlego após decisão de encerrar a operação de caminhões no América Latina. Até o encerramento do primeiro trimestre, a marca se posicionava como a quarta no ranking.


Notícias relacionadas