Você está lendo...
MEI dos caminhoneiros: entenda o que muda
Notícias

MEI dos caminhoneiros: entenda o que muda

Os caminhoneiros com MEI têm mais acesso ao crédito, podem negociar o frete direto com embarcadores e ter benefícios previdenciários, como auxilio em caso de doença

Aline Feltrin

01 de mar, 2021 · 8 minutos de leitura.

MEI
Crédito:Divulgação:

Em breve, muitos caminhoneiros autônomos poderão virar microempreendedores individuais. Ou seja, MEIs. Pelo menos é isso que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) quer. O Projeto de Lei 147/2019 deve ser votado nesta semana.

Primeiramente, a Câmara dos Deputados tem de aprovar a proposta. Se ela passar, o caminhoneiro autônomo que faturar até R$ 300 mil pode se cadastrar como MEI. Pela legislação atual, o limite é de R$ 81 mil.

Assim, o Estradão procurou especialistas para saber o que muda na vida de quem é autônomo e vira MEi. Nesse sentido, ouvimos representantes de classe e instituições.


MEI garante mais segurança

Em suma, o primeiro impacto seria menor informalidade. Ou seja, a lei permitiria o aumento do número de contratos de trabalho, que trazem mais segurança ao motorista.

Professor de Finanças e Coordenador do curso de Administração da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Allan Pereira diz que isso é bom para os profissionais. ?É muito comum o caminhoneiro agregar o veículo à atividade profissional. Se isso não for feito entre pessoas jurídicas, o trabalhador fica desprotegido", diz.

Segundo Pereira, no contrato são estipulados prazos e preços que devem ser respeitados. "Isso dá mais garantias ao caminhoneiro."


Advogado trabalhista do escritório Cascione Pulino Boulos Advogados, Rodrigo Nunes concorda. ?Muitas vezes o frete e combinado 'de boca'. E isso (contrato) evita muitos problemas?, diz.

Faturamento maior sem o atravessador

Além disso, quem não é MEI tem mais dificuldade para ser contratado por empresas. E fica impossibilitado de prestar serviços para o poder público, por exemplo.

É o que informa a especialista em carreira e processos, Andreza Silva. ?Os caminhoneiros podem emitir notas fiscais e fazer declarações dentro do que é solicitado. E podem até participar de licitações.


O caminhoneiro cadastrado como MEI também evita a figura do atravessador. Ou seja, das agências de frete que fazem a intermediação entre embarcadores e motoristas. Em outras palavras, negocia os valores diretamente e, assim, fatura mais.

Reivindicação antiga

O MEI para caminhoneiros é um pedido antigo da classe. isso segundo o presidente da Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Autonômos (Abrava), Wallace Landin, conhecido como Chorão.


Ele afirma que com isso haverá mais segurança jurídica para as empresas que quiserem contratar o motorista diretamente. No entanto, diz Chorão, apenas a ampliação do MEI não resolve os problemas do setor.

?O DTE, por exemplo, que é um documento eletrônico único, precisa estar funcionando plenamente para eliminar a burocracia?, afirma. De acordo com ele, dos mais de 1 milhão de motoristas autônomos do País, ao menos 600 mil vivem na informalidade.

Segundo Chorão, os impostos deveriam ser mais baixos. Isso estimularia a categoria a aderir ao MEI. ?Muitos até têm empresas abertas. E vendem o almoço para comprar a janta (sic)?, afirma. Na prática, o MEI paga menos impostos.


Impostos menores e mais opções de crédito

O caminhoneiro inscrito como MEI tem de recolher 11% sobre o salário mínimo. Já o autônomo paga 20% de INSS. Segundo informações da advogada empresarial e consultora tributária, Tainá Veloso.

De acordo com ela, o mais importante é que, além de ter um CNPJ, o caminhoneiro inscrito como MEI paga menos impostos. Além disso, tem mais chance de obter crédito a juros menores.

"Quem tem CNPJ tem mais facilidade para conseguir aprovação de pedidos de empréstimo", afirma Nunes. De acordo com ele, também é mais fácil obter prazos para pagar pagar por componentes e insumos, como pneus, por exemplo.


Mais facilidade na compra de caminhões novos e usados

A explicação é simples. Com o MEI, dá para consultar facilmente o histórico do caminhoneiro. Segundo o CEO da Easymei, Alexandre de Carvalho, isso facilita a análise de crédito.

De acordo com o Banco Mercedes-Benz, o MEI trará formalidade aos caminhoneiros. Na prática, isso tende a facilitar o acesso a planos de financiamento para a compra de caminhões novos e usados.

Além disso, quem é MEI também tem direito a vários benefícios previdenciários. Segundo Nunes, alguns são semelhantes aos de empregados com carteira assinada.


É o caso do auxílio em caso de doença, por exemplo. ?Também recolhe impostos ao INSS, embora menores e em condições mais limitadas do que o funcionário de uma empresa?, explica.

Mais organização no dia a dia

Segundo Carvalho, o MEI também facilita a contratação de planos de saúde. Porém, o contador lembra que a inscrição como MEI tem pontos que requerem atenção.

Ele afirma que o mais importante é que o autônomo deve entender que passará a ser, definitivamente, dono do seu próprio negócio. ?Ele terá um CNPJ e, com isso, terá de cumprir com obrigações legais?, explica.


De acordo com Carvalho, isso implica o pagamento regular dos impostos, por exemplo. Além disso, será preciso elaborar um relatório mensal de faturamento e entregar a declaração anual de imposto de renda à receita federal.