Fenatran 2019 traceja o futuro do transporte

Produtos, mas principalmente a consolidação de serviços digitais marcam a feira de negócios de veículos comerciais

Mercedes-Benz Actros MirrorCam Crédito:

Se há dois anos a Fenatran exibia otimismo em relação a volta às compras do mercado transportador depois de acentuado período de crise, desta vez a 22ª edição da maior feira do setor da América Latina esquadrinha o futuro próximo com produtos e serviços tecnologicamente avançados e dá passos a um novo modelo logístico.

O cenário que se definia como amanhã já pode ser considerado como hoje diante do que foi apresentado pelas fabricantes de caminhões. A Volkswagen Caminhões e Ônibus, além de lançar a plataforma de conectividade RIO, marca do Grupo Tranton, do qual a VWCO faz parte, e a criação da Volkswcare, nova estrutura de atendimento em uma espécie de gestão compartilhada a partir dados em nuvens, oficializa o e-Consórcio, a primeira iniciativa para começar a fabricar caminhões elétricos na fábrica de Resende (RJ).

O negócio segue o exemplo do processo de produção modular da unidade de sul-fluminense, no qual parceiros e fornecedores são corresponsáveis pela montagem dos veículos.

A fabricante espera já para o próximo ano colocar o e-Delivery em produção com empresas como Bosch (fornecimento de componentes), CATL (fabricante de baterias), Moura (gerenciamento e fornecimento de baterias), Semcom (serviços de engenharia), Siemens (infraestrutura e carregamento de baterias), WEG, (fornecimento de componentes), Meritor (fornecimento de eixos elétricos) e Eletra, como parceira estratégica.

“O modelo de produção se estende além dos portões da fábrica para viabilizar a mobilidade elétrica de mercadorias, providenciando solução para toda a cadeia, do produto a infraestrutura”, resumiu Roberto Cortes, Roberto Cortes, presidente e CEO da fabricante para a América Latina.

A DAF, em busca dos 10% de participação que busca na América do Sul, como reforçou o presidente da marca no Brasil, Carlos Ayala, anunciou investimento de R$ 100 milhões para a construção de um novo Centro de Distribuição de Peças junto à sua fábrica em Ponta Grossa (PR) com programação para estar de pé em abril. “O empreendimento terá 98% de disponibilidade de componentes das marcas Paccar e TRP”, adiantou o dirigente.

A fabricante ainda adianta o futuro com planos de iniciar produção dos caminhões rígido CF e LF com objetivo de começar participação nos segmentos de veículos médios e semipesados. Ayala preferiu não confirmar datas, mas admitiu para “breve”, especialmente o CF.

A Volvo, além de uma luxuosa edição especial do FH em comemoração aos seus 40 anos de Brasil, também dá asas a intenção de produção de caminhões elétricos no Brasil. A construção em série começa no ano que vem na Europa e, “certamente vem para a América Latina”, afirmou Roger Alm, presidente global do negócio de caminhões do grupo sueco. “Está nos planos de trazer a tecnologia. Os 450 milhões de habitantes da região aponta o potencial para o transporte. Falta é a infraestrutura”, pondera.”

A Iveco também alinhada com as tendências do transporte anunciou o lançamento do Iveco Connect, sistema de telemetria da marca para gestão de frota, e apresentou a linha Daily. A gama, introduzida na Europa em abril passado, começará a ser oferecida ao transportador brasileiro a partir de abril de 2020.

“Foi praticamente um desenvolvimento simultâneo”, destacou Thiago Carlucci, diretor de marketing da Iveco para a América Latina. “Além de mais funcional, o mercado terá um veículo pensado a partir da experiência de quem trabalha no transporte.”

A nova linha abriga ampla lista de opções para diversas aplicações, reunindo utilitários de 3,5 a 7 toneladas, em versões cabine-chassi, cabine dupla, furgões e vans, equipadas com motores FPT de 130 a 170 cv associados à transmissão manual da ZF de seis velocidades. No portfólio a marca ainda introduzirá inéditas opções de 4,5 e 6,5 toneladas, dentre elas uma van para vinte passageiros mais o motorista.

 

A Mercedes-Benz surpreendeu ao lançar versão do novo Actros com a tecnologia MirrorCam um ano depois de apresentada na Europa. Para o caminhão a fabricante eliminou os espelhos retrovisores externos e, em seu lugar, instalou câmeras. O motorista ganhou, então, telas posicionadas nas colunas internas. “É o primeiro caminhão digitalizado brasileiro e eleva o nível de segurança no transporte brasileiro”, assegurou Philipp Schiemer, presidente da companhia no Brasil.

Na companhia da solução, a empresa aproveitou e ampliou a oferta na linha Actros com a introdução de motor de 530 cv, agora o mais potente da fabricante e estará disponível no cavalos-mecânicos 2553 e 2653.

A Scania, com já anunciado anteriormente, começa a aceitar a partir da Fenatra 2019, pedidos de vendas de caminhões a gás, reforço em sua bandeira por um transporte mais sustentável. Revelou ainda mais uma parceria de teste com combustíveis renováveis, desta vez com a Ambev. A cervejaria passará a utilizar duas unidades do R410 6×4 movidos a gás natural liquefeito, tecnologia inédita no País. “A vantagem é a autonomia que proporciona em relação gás natural comprimido, que passa de 400 km para 1.200 km”, justificou Silvio Munhoz, diretor comercial da Scania.

Em mais um exemplo de que a conectividade veio para ficar, o Grupo PSA lançou no País a Free 2 Move, sua empresa de serviços de mobilidade. Incialmente desembarca por aqui com a oferta do Connect Fleet, para o apoio na gestão de frotas.


Notícias relacionadas