Andrea Ramos

24/03/2020 - 11 minutos de leitura. Atualizado: 26/03/2020 | 18:51

Consórcio é uma ótima opção para compra do caminhão novo

Para o transportador, consórcio funciona como um investimento e para o autônomo, exige menos burocracia na contratação

Empresas de transporte miram o consórcio para comprar caminhão
Crédito: Divulgação

O consórcio é uma ótima opção para a compra do caminhão novo. Para o transportador, trata-se de um investimento que permite programar quando o bem será entregue. Para o autônomo, essa modalidade de crédito exige menos burocracia na contratação.

Todas as marcas de caminhões têm opção de consórcio. A Scania celebra os resultados de 2019. A Mercedes-Benz oferece opção de lance a partir da sexta parcela. A Volvo tem planos flexíveis, a Iveco aposta na fidelização e a VW, na democratização da oferta.

Setor de consórcios cresceu 27,3% em 2019

Em média, os consórcios de caminhões têm de 80 a 100 parcelas. Para o Crédito Direto ao Consumidor (CDC), os planos mais comuns têm em torno de 70 parcelas.

Na prática, é bem mais fácil de contratar o consórcio que o CDC. Não por acaso, no ano passado foram vendidas 90.584 cotas para veículos pesados no Brasil. Em relação a 2018, quando foram vendidas 71.150 cotas, a alta foi de 27,31%. Os dados são da  ABAC (Associação Brasileira de Administradores Consórcio).

Em época de pandemia do covid-19, as assembleias costumam ser online

Scania comemora vendas

A Scania é uma das mais tradicionais nas vendas de consórcio. A marca atua no segmento há 38 anos.

Para Rodrigo Clemente é importante manter a isonomia e isso faz do consórcio ser uma modalidade que dá oportunidade para todos

Diretor comercial do Consórcio Scania, Rodrigo Clemente diz que a vantagem para o transportador são os juros e custos de administração baixos. Muitos aceleram a retirada do bem dando um caminhão usado como lance.

Entre as principais vantagens, segundo Clemente, é a isonomia. Ou seja, todos os clientes têm as mesmas chances tanto por meio de lance quanto sorteio.

Em 2019, Scania vendeu R$ 1,3 bilhão em planos de consórcio
Outra forma de antecipar a retirada é adquirir uma cota de valor 30% superior ao caminhão desejado. Por exemplo, para pegar um caminhão de R$ 450 mil, o interessado deverá adquirir uma cota em torno de R$ 600 mil.

A diferença, de R$ 150 mil, será dada como lance. Mesmo pagando 30% a mais, o custo financeiro será menor que o juro médio do CDC, por exemplo.

Para comparação, a taxa administrativa gira em torno de 14%, diluídos ao longo do plano. Há ainda a taxa de valorização do bem de, em média, de 4% ao ano.

Isso porque quem comprar uma cota hoje, por exemplo, vai pagar por um caminhão modelo 2020. A partir de janeiro de 2021, vai pagar por um caminhão 2021.

No CDC, as taxas de juros anuais para compra de veículos variam de 30% a 40% em boa parte das financeiras. Por isso, o presidente da ABAC, Paulo Roberto Rossi, estima que neste ano as vendas do setor crescerão 20%. Isso, segundo ele, se o avanço do coronavírus não atrapalhar.

Mercedes-Benz libera caminhão a partir do 24º mês

A Mercedes-Benz também vem trabalhando fortemente essa modalidade de crédito. E acaba de lançar o chamado Plano Pontual, direcionado aos caminhões Accelo (leve) e novo Actros (pesado).

Ari de Carvalho destaca que no Plano Pontual o consorciado pode retirar o bem mais rápido

 

É possível dar lances entre o sexto e o 23º mês do consórcio. A partir do 24º mês, todos os participantes podem retirar o caminhão a qualquer momento. Isso independe de lance ou da antecipação do pagamento de parcelas. E partir do 12º mês há dois sorteios mensais.

Com tantas vantagens, mesmo as grandes transportadoras, que têm bom acesso ao crédito, estão optando pelo consórcio. A informação é do diretor de vendas e marketing caminhões da Mercedes-Benz do Brasil, Ari de Carvalho.

“O consórcio pode ser uma ferramenta importante para a renovação de frota”, afirma o executivo. De acordo com ele, a possibilidade de programar a retirada do bem permite às empresas fazer um planejamento mais alinhado às suas necessidades.

Consórcio já entregou 22 mil caminhões da Volvo

A Volvo também celebra os bons resultados de 2019. No ano passado, as vendas de consórcios de caminhões da marca superaram R$ 1 bilhão. Na comparação com 2018, o crescimento foi de 22%.

A vantagem do consórcio Volvo, segundo Emerson Moroz, é um dos planos que flexibiliza a forma de pagamento

 

Em 26 anos de atuação, a marca sueca entregou 22 mil caminhões por meio de cotas de consórcio. Gerente do consórcio Volvo, Emerson Moroz ressalta o custo vantajoso em relação ao CDC.

Entre as opções, a Volvo oferece uma modalidade de consórcio com parcelas reduzidas. O cliente paga a parcela menor até a contemplação. A diferença será quitada após a entrega do caminhão.“Assim o veículo se autofinancia.”

Carta de crédito para abater juros do CDC

Outra vantagem é que o transportador pode dar o caminhão usado como lance no novo. “Isso contribui para o avanço do consórcio” afirma Moroz. “O consórcio também é uma ótima opção para o autônomo ou para quem está começando a montar uma frota”.

Moroz lembra que a carta de crédito também pode ser utilizada para pagar outros compromissos, como um financiamento bancário, por exemplo. “Com isso ele se livra das taxas de juros mais altas.”

Sérgio Pugliese destaca o consórcio como uma modalidade acessível a todos os perfis de frotistas

No caso da Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO), o consórcio responde por apenas 2% das vendas. Segundo o gerente-executivo da empresa, Sérgio Pugliese, essa modalidade está estável nos últimos meses.

De acordo com ele, o perfil do cliente de consórcio de veículos da empresa é bastante diversificado. Vai do caminhoneiro autônomo ao pequeno comerciante e aos médios e grandes frotistas.

Na Iveco, fidelização é de 60%

No caso da Iveco, uma das estratégias para atrair clientes é a premiação. Entre os destaques está a promoção “Comprou Ganhou”, na qual os consorciados que adquirem uma nova cota ganham viagens com direito a acompanhante.

Volvo e Scania também oferecem esse tipo de brinde. No caso da Iveco, a ação só é válida para cartas de crédito com valor a partir de R$ 470 mil.

Adriano Bruni revela que o consórcio traz muitos benefícios ao cliente, sendo possível fidelizá-lo

 

O objetivo é atrair potenciais clientes de caminhões pesados. “Neste ano, 820 clientes têm viagens programadas”, afirma o diretor comercial da Conseg (Administradora de Consórcios), que administra o consórcio da Iveco, Adriano Bruni.

Ele afirma que um dos principais focos da empresa é a fidelização. De acordo com Bruni, a retenção é de cerca de 60% dos seus consorciados.

Do total de vendas de caminhões da Iveco, 15% são feitas por meio de consórcio. No ano passado, o número de cotas vendidas cresceu 28% em relação a 2018. Para 2020, a expectativa é de alta de 15% nas vendas.

Consórcio não interfere no limite de crédito

De acordo com o sócio-diretor da MA8 Management Consulting Group, Orlando Merluzzi, o consórcio é uma ferramenta excelente quando a taxa de juros está alta. “Na crise o consórcio é uma forma de poupança. E em períodos bons os grandes frotistas utilizam essa modalidade para programar a renovação da frota.”.

“Dependendo da situação financeira do frotista, seu limite de crédito fica reduzido no banco. Com o consórcio esse mesmo cliente pode comprar a carta no valor que desejar”, afirma o especialista em transporte.

Notícias relacionadas