Caoa quer fazer caminhão Hyundai na fábrica da Ford

Grupo brasileiro deve manter os leves da Ford e produzir linha Hyundai Xcient em São Bernardo do Campo

Hyundai Xcient Crédito: Foto: Hyundai/Divulgação

A venda à Caoa da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo (SP) está prestes a ser anunciada. Além de produzir caminhões leves da marca norte-americana, o grupo brasileiro pretende fazer pesados da linha Xcient, da Hyundai, segundo fontes ligadas à negociação. O mais cotado para ser o primeiro produto dessa nova fase é o cavalo-mecânico P440. Ele disputaria compradores com modelos da Mercedes-Benz, Scania e Volvo, entre outras marcas.

Há tempos a Caoa vem estudando a viabilidade de produzir caminhões semi-pesados e pesados no Brasil. O grupo já fabrica os leves HR e HD80 em Anápolis (GO). Recentemente circularam na internet fotos de unidades do cavalo-mecânico Xcient P440 e do leve Mighty no pátio onde a Caoa movimenta veículos importados na cidade goiana.

A possibilidade da compra da fábrica da Ford, portanto, surgiu como uma solução sob medida para os planos da Caoa. Ao concretizar o negócio, o grupo pode transforma a fábrica do ABC paulista em uma plataforma de exportação da linha de caminhões da Hyundai.

Além de atender o mercado brasileiro, a planta poderá fornecer caminhões da marca sul-coreana para outros países da América do Sul. Os modelos Hyundai Xcient, aliás, já são vendidos no Uruguai e no Paraguai. Países com os quais o Brasil mantém acordos bilaterais de comércio.

Produzir veículos de marcas distintas em uma mesma fábrica não será novidade para a Caoa. Em Anápolis, o grupo já fabrica os SUVs ix35 e Tucson, da Hyundai, além do Tiggo 5x e Tiggo 7, da marca Caoa Chery, criada após a empresa brasileira adquirir o controle da operação local da companhia chinesa.

O negócio incluiu também o comando da planta erguida pela Chery em Jacareí. Na unidade no interior do Estado de São Paulo a Caoa Chery fabrica o subcompacto QQ, o sedã Arrizo 5 e o SUV compacto Tiggo 2.

Além disso, a Caoa é importadora oficial dos automóveis feitos na Coreia do Sul pela Hyundai, como o sedã Elantra e o SUV Santa Fe. Também detém a importação dos japoneses da Subaru.

A linha de caminhões Xcient foi lançada na Coreia do Sul em 2013. Inicialmente, o objetivo da Hyundai era atender países europeus, além do mercado doméstico. Mas o plano foi expandido e a marca já está presente até em países do Mercosul.

Entre os destaques, os caminhões Hyundai Xcient têm cabine ampla, que oferece bastante espaço e conforto a motorista e ajudante. Há motores de 10 e 13 litros com até 520 cv de potência.

Se forem mesmo oferecidos no Brasil, os caminhões da marca sul-coreana enfrentarão rivais consolidados. Entre os principais estão a linha Atego, da Mercedes-Benz, no caso dos semi-pesados, e FH, da Volvo, entre os pesados.

A investida no setor de caminhões mira oportunidades de negócios no Brasil e no exterior. O grupo liderado pelo empresário Carlos Alberto de Oliveira Andrade deve assumir o controle da fábrica de São Bernardo do Campo em dezembro deste ano. Pouco tempo depois, em julho de 2020, entrará em vigor o acordo de livre comércio de produtos do setor entre Brasil e México.

Diferentemente do que ocorre no caso dos automóveis, em que o México leva vantagem, no de caminhões é o Brasil que sobressai. Marcas como Volvo e Mercedes-Benz, por exemplo, fabricam no País produtos com o mesmo nível de tecnologia e sofisticação de suas matrizes na Europa.

Além disso, embora o segmento de caminhões movimente menos unidades que o de automóveis. Em termos de receita os volumes são muito maiores. Sobretudo no caso dos semi-pesados e pesados. Que no primeiro trimestre deste ano representaram cerca de 75% das vendas no Brasil. Segundo dados da Fenabrave, federação que reúne as concessionárias de veículos do País.


Notícias relacionadas