Câmbio automatizado: robustez de manual e conforto de automático.

Tecnologia promete custos operacionais menores e maior produtividade

Câmbio TorqShift, da Ford Caminhões Crédito: Foto: Ford Caminhões

Antes restritos aos caminhões pesados, os câmbios automatizados começam a ganhar espaço em categorias de veículos mais leves, especialmente entre médios e semipesados. A tecnologia preserva o conceito utilizado nas caixas de transmissão manual, com trocas de marchas feitas por cabos e presença de embreagem, mas promove inteligência eletrônica para mudança de marchas de maneira automática.

Sem a complexidade das transmissões puramente automáticas, dotadas de conversor de torque, a opção automatizada mostra-se tão resistente quanto a manual, com custo de manutenção inferior. Por meio do auxílio eletrônico, a tecnologia também é capaz de eliminar erros de condução, com trocas de marchas corretas conforme topografia e peso. Na ponta final, resulta em aumento da vida de componentes e redução do consumo de combustível.

Resultado de um extenso desenvolvimento de engenharia e integração veicular, a caixa de transmissão TorqShift, introduzida pela montadora em sua linha de veículos em 2016, apresenta vantagens operacionais capazes de promover mais rentabilidade ao negócio.

O piloto automático inteligente se encarrega de preservar a velocidade constante programada pelo motorista em subidas e descidas, reduzindo ou aumentando as marchas de acordo com o aclive, seja qual for a ação do condutor.

Recursos exclusivos facilitam manobras

O assistente de partida em rampa, também presente na transmissão TorqShift, impede que o caminhão desça em uma eventual parada em trecho inclinado. Outra função, denominada Creep, mantém o veículo em marcha lenta sem que o motorista precise pisar no pedal do acelerador, recurso especialmente prático nas manobras de garagem ou mesmo em locais estreitos que exigem cuidados redobrados.

O câmbio oferece ainda dois modos de condução: Economia e Performance. No primeiro caso, para garantir menor consumo de combustível, as trocas de marchas ocorrem a 1.800 rpm, enquanto no segundo o desempenho é privilegiado com as trocas a 2.300 rpm.

Por fazer mudanças de marcha sempre no regime ideal de rotação, a caixa de transmissão TorqShift satisfaz autônomos, empregados e empresas de transporte. Além de minimizar a fadiga na rotina de trabalho — consequentemente promovendo produtividade –, padroniza o desempenho dos motoristas nas grandes frotas, o que traz para o negócio previsibilidade no custo operacional, principalmente de combustível.


Notícias relacionadas