Ônibus: de Norte a Sul por rodovias

Setor de transporte rodoviário de passageiros busca aprimorar serviços e atendimento aos clientes

Serviço leito Crédito: Foto: Marcopolo

Dados da ANTT, Agência Nacional do Transporte Terrestre, apontam que os serviços de ônibus rodoviários, com ligações interestaduais, são responsáveis pela movimentação de 120 milhões de passageiros por ano, interligando quase todas as regiões brasileiras. Apesar dos desafios que enfrenta, o setor é reconhecido por dispor de um padrão de qualidade que chama a atenção pelo conforto e segurança, itens acompanhados por veículos de última geração e um atendimento eficaz.

Cortando o Brasil de Norte a Sul, as transportadoras não perdem o otimismo frente a um cenário de retração da economia brasileira, ao investir constantemente na renovação de frota e na gestão dos negócios. Com atuação no Nordeste brasileiro, o Expresso Guanabara possui uma rede que liga Fortaleza (CE) às principais cidades da região, ao Rio de Janeiro, São Paulo e Goiânia, dentre outros municípios. A operadora possui uma frota com 415 veículos e idade média de 2,5 anos, percorrendo mensalmente cerca de 7 milhões de quilômetros e transportando em torno de 450 mil passageiros.

Rodrigo Mont’Alverne, gerente de marketing da empresa, conta que a transportadora prima pela satisfação de seus clientes e para isso possui agências conceito em diversas rodoviárias do País. Nesses pontos, o cliente conta com atendimento especial, conforto e agilidade, num espaço diferenciado com portas e paredes de vidro e ambiente climatizado. “Outro diferencial são os totens de autoatendimento onde é possível comprar ou imprimir passagens de forma rápida e prática. Cliente Guanabara também pode comprar passagens pelo aplicativo Expresso Guanabara, site ou agências em shoppings. Além de conveniência, a Guanabara oferece também um programa de fidelidade, chamado Afetividade, em que o cliente a cada dez viagens ganha uma grátis.”

No Sul do País, duas transportadoras gaúchas se destacam por oferecer serviços com maior comodidade e segurança. A Planalto Transportes e a Viação Ouro e Prata ligam o Rio Grande do Sul a outros estados brasileiros, além das linhas regionais. Para garantir o trinômio segurança, conforto e pontualidade, as operadoras dedicam total atenção ao treinamento de suas equipes, especialmente dos motoristas; utiliza veículos de última geração; nas principais linhas, operam com veículos Double Deckers com serviços leito, executivo e convencional, bem como a oferta de água, manta, travesseiro, lanche e descansa pernas. Em termos de entretenimento, os veículos possuem internet a bordo e filmes que podem ser vistos também tablet ou celular. Como item de conveniência e conforto, todos os passageiros têm permissão de acesso a salas vips, equipadas com internet e terminais de computadores.

Paulo Roberto Petersen, diretor de operações da Planalto, ressalta a busca pela manutenção do padrão de qualidade reconhecido por seus clientes, com frota atualizada de última geração, estruturas adequadas ao atendimento , promoções atrativas aos clientes e programa de fidelização, buscando a melhor experiência para o nosso passageiro em suas viagens. “Mantemos e fortalecemos canais de comunicação com nossos passageiros, desde a pesquisa de satisfação, até mídias sociais e SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente)”, resume.

Presente na região Sudeste, com ampla operação no eixo São Paulo – Rio de Janeiro e no estado fluminense, ao ligar o Rio e o Grande Rio, a Região dos Lagos e parte da serra do centro-norte fluminense, a Auto Viação 1001 aposta em sua frota de aproximadamente 3,8 anos de uso. A utilização de veículos Double Class, com serviço leito cama no piso inferior e semi-leito no superior é o destaque e a estratégia para melhor atender seus passageiros.

“Contamos também, nas principais rodoviárias que operamos, com salas vip. Elas atendem passageiros em viagens acima de 400 km ou que viajarão no serviço executivo. Buscamos oferecer um ambiente diferenciado com televisão, ar-condicionado, acesso à internet, entre outros serviços especiais, para garantir a melhor experiência de viagem”, conta Heinz Kumm Júnior, diretor executivo da 1001. “Por fim, temos outro espaço chamado de Sala Net, onde os clientes podem comprar ou retirar as suas passagens compradas antecipadamente em terminais de autoatendimento, com toda a praticidade e conforto.”

Desafios operacionais

Dentre as questões presentes no dia a dia operacional, duas são ressaltadas em virtude do impacto causado à gestão: equilíbrio econômico e a competitividade no setor. Mont’Alverne, da cearense Guanabara, revela que a empresa busca dar uma melhor ocupação nos veículos, investindo em novos mercados, utilizando melhor os equipamentos, otimizando custos, fazendo compartilhamento de estruturas operacionais e comerciais, melhoria de consumo de energia e água, dentre outros.

“Os principais concorrentes são o transporte aéreo, outras empresas legalizadas que atendem às mesmas cidades, transporte clandestino e aplicativos de carona. Para nos diferenciarmos, mantemos a frota mais nova do Brasil com idade média que deverá ser de dois anos até o fim de 2018”, adianta Mont’Alverne.

Petersen, da Planalto, diz que as equações são delicadas, mas que está sempre no radar da empresa. “Manter constantes investimentos, trabalhar com inovação e melhoria de processos, alinhados com eficiente controle de despesas e receitas. Esta é a forma de enfrentar um ano que até aqui não permite assegurar recuperação da demanda perdida nos últimos três anos, especialmente”, avalia.

Já Carlos Bernaud, diretor de operações da Ouro e Prata, destaca que a manutenção do equilíbrio está baseada em estrutura planejada de acordo com as operações da empresa e sua área de atuação. “O trabalho com pessoal capacitado e especialmente o plano de otimização de serviços contribuem para a potencialização dos recursos e da estrutura para atendimento da demanda.”

Segundo Bernaud, a empresa é impactada pela precariedade das rodovias, que em muitos pontos apresentam condições precárias, prejudiciais à segurança e à manutenção dos veículos. A capacidade de volume de veículos nas rodovias, em especial as estradas de vias simples,     que dificultam ultrapassagens e resultam em aumento do tempo de viagem pela redução da velocidade média, é outro fator prejudicial.

Heinz, da 1001, completa que é preciso maior fluidez nas vias e rodovias para o transporte de massa, aliada a uma melhor infraestrutura das estradas. Segundo ele, a eficiência de sua operação e a satisfação dos clientes dependem de vias menos congestionadas, com políticas voltadas para o transporte de alta capacidade.

“Rodovias em más condições geram custos operacionais maiores e prejudicam a segurança da viagem. Também temos a concorrência do transporte regular, tanto rodoviário como aéreo, dependendo da rota operada, e também do transporte irregular e não regulamentado. Para que a gente se destaque nesse cenário, colocamos o cliente no centro da nossa estratégia. Realizamos pesquisas anuais com os passageiros, ouvimos o que eles têm a dizer. Atuamos monitorando o mercado e a satisfação de quem viaja conosco. A partir daí, adequamos os nossos investimentos e decisões operacionais”, conta o executivo.

Renovação da frota

Para melhor atender os clientes, a empresas investem constantemente em ônibus novos e com mais itens de conforto. O Expresso Guanabara, por exemplo, renovou e modernizou sua frota em 2017, incorporando 65 novos ônibus à sua frota, sendo 25 Marcopolo Double Decker e 40 Marcopolo 1200. Em 2018, a empresa já adquiriu o primeiro lote de novos veículos e até o fim de junho receberá 34 ônibus, dos quais 11 Double Decker e 23 unidades do Paradiso 1200.

A Planalto Transportes adquiriu em dezembro do ano passado 18 ônibus com carroceria com dois pavimentos para os serviços leito e executivo, que passaram a operar em fevereiro deste ano. O planejamento prevê aquisição de mais veículos ainda 2018.

A última renovação da Ouro e Prata foi em 2017, com a aquisição de 22 veículos de última geração, caracterizados por conforto e segurança, sendo 12 unidades do tipo Double Decker e 10 veículos com 42 poltronas semi-leito. Para 2018 a empresa realiza estudo para nova aquisição de frota, a fim de dar seguimento ao seu plano de renovação. O mais recente investimento da Auto Viação 1001 em frota foi feito no ano passado com a compra de 129 ônibus.

 


Notícias relacionadas