Vendas da Scania crescem no primeiro semestre

Enquanto o mercado cai 16%, licenciamentos de caminhões da marca sueca evoluem 10%

Foto: Scania

Em um mercado pouco comprador, no qual as vendas retrocederam 16,1% no primeiro semestre do ano, para 21.457 unidades, contra 25.588 registradas no mesmo período do ano passado, a Scania se destaca com alta de 9,8% nos negócios. O resultado é o oposto ao de todas as outras concorrentes, que acumulam quedas no período. Exceção feita à novata DAF, mas que ainda registra volumes negociados bem inferiores e, portanto, com uma base de comparação baixa.

Segundo dados da Anfavea, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, a fabricante de São Bernardo do Campo (SP) negociou 2.279 caminhões nos seis primeiros seis meses do ano, contra 2.076 emplacados um ano antes.

O resultado garantiu preservar a quinta posição do ranking das montadoras que mais vende no país e ainda adicionar quase 2,5 pontos percentuais em relação a participação que tinha, saltando de 8,16% para 10,61% do mercado. Não custa destacar que a Scania atua somente em dois segmentos: semipesados e pesados.

A Mercedes-Benz segue na liderança das vendas com 30% do mercado. Os 6.386 caminhões da marca negociados nos seis primeiros meses do ano, porém, representaram declínio de 15,5% em relação ao mesmo período do ano passado.

A vice-líder MAN perde cada vez mais terreno para sua principal rival. No primeiro semestre do ano suas vendas somaram 5.421 unidades, queda de 22% na comparação com o primeiro semestre do ano anterior, de 6.954 caminhões. O desempenho apresentado encolheu sua participação, de 27% no encerramento dos seis primeiros meses do ano passado para 25,3% agora.

A Ford Caminhões, a terceira que mais vende no país, viu os emplacamentos recuarem 12,7% no período, para 3.436 unidades. O resultado, porém, proporcionou à companhia um pequeno acréscimo de 0,5 ponto percentual, tinha 15,4% e chega agora aos 16%.

Ainda que a Volvo tenha registrado 18,2% de queda nas vendas, o resultado a mantém em seu habitual quarto lugar do ranking. Os 2.279 caminhões da marca vendidos no primeiro semestre do ano também preservaram a participação de 11% que tem no mercado, a mesma de um ano atrás.

A Iveco, na sexta posição, apurou forte queda de 40,8%, com apenas 824 unidades vendidas no acumulado até junho, além de perder 1,5 ponto percentual, de 5,56% para 4% no confronto de um ano antes.

Encerram o ranking das dez montadoras de caminhões que mais vendem, a DAF, a sétima colocada, com 363 unidades vendidas, alta de 31% e fatia 1,7%; a FCA, que negociou 234 modelos Dodge RAM, um recuo de 9,3%; A Agrale, com vendas de 64 caminhões (-49,6%) e, na lanterna, a International, com 28 unidades negociadas, o mesmo volume de um ano atrás. A fabricante de Canoas (RS), no entanto, está com a produção paralisada desde o fim de 2015.


Notícias relacionadas