Tesla Semi promete revolucionar o transporte de carga

Empresa garante que oferecerá autonomia, mais desempenho e menores custos operacionais

Tesla Semi Foto: Tesla Motors

Depois de fazer algum suspense e adiar por duas ocasiões a apresentação do caminhão Semi, Elon Musk, fundador e CEO da Tesla Motors, finalmente revelou seu veículo pesado de carga. Ao considerar sua apresentação, diante de um auditório lotado, em Los Angeles, Estados Unidos, em meados de novembro, o mercado transportador pode esperar uma solução revolucionária. Um modelo 100% elétrico capaz de entregar desempenho, autonomia e menor custo operacional se comparado com diesel.

Pelo discurso de Musk e frente aos dados técnicos apresentados pelo executivo, o Semi romperá paradigmas no transporte de carga de longas distâncias. Segundo a fabricante, o caminhão carregado com peso bruto total combinado (PBTC) de 36 toneladas, sua capacidade máxima, fará de 0 a 60 milhas por hora (96,5 km/h) em 20 segundos, enquanto o caminhão a diesel, com o mesmo peso, levará quase 1 minuto. Sem a carreta a aceleração do modelo é ainda mais impressionante, apenas 5 segundos, uma bela diferença em comparação com os 15 segundos necessários para o veículo convencional alcançar a mesma velocidade.

Outra vantagem, no que diz respeito ao desempenho, será a capacidade do Semi em manter velocidade nos aclives. Segundo Musk, em rampas de 5% de inclinação o modelo da Tesla poderá rodar a 65 mph (104,6 km/h) de maneira constante, 20 mph a mais do que os 45 mph (72,5 km/h) possíveis do veículo movido a diesel. O executivo, no entanto, não especificou o tamanho do motor a diesel utilizado na comparação, limitando-se a mencionar apenas “o melhor caminhão a diesel”.

Também em autonomia, um dos principais obstáculos do uso da eletrificação no transporte de carga de longas distâncias, aparentemente foi resolvido no Semi. A Tesla oferecerá ao mercado duas versões do caminhão, para 300 (483 km) ou 500 milhas (805 km) com carga única. De acordo com Musk, 80% das rotas nas operações dos Estados Unidos são menores que 250 milhas (402 km), o que “significa que em boa parte viagens o Semi poderá ir e volta sem necessidade de recarga”.

Em caso de necessidade, porém, a empresa avisa que com uma recarga de 30 minutos, o Semi ganha energia suficiente para 400 milhas (644 km), no caso do modelo com mais autonomia. Nas frenagens ainda o conjunto tecnológico recupera até 98% da energia cinética para as baterias.  “O Semi cobre mais milhas do que um caminhão diesel em uma mesma quantidade de tempo”, resume comunicado divulgado para a imprensa.

O modelo de carga da Tesla tem quatro motores elétricos independentes nas rodas traseiras, como também suspensão independente, favorecendo o conforto do motorista. Com um desenho em formato de projétil, a empresa diz que o Semi tem coeficiente aerodinâmico de 0,36 cx, menor até que o superesportivo Bugatti Chiron, de 0,38 cv.

Por dentro, o posto de comando do motorista é centralizado, como se a cabine fosse projetada em torno do condutor. Para ele, duas telas sensíveis ao toque posicionadas simetricamente dão acesso a sistema de navegação, imagem das câmeras que eliminam pontos cegos, informações técnicas do funcionamento do veículo e interface com o gestor da frota.

Como veículos semiautônomo, daí o nome do caminhão, o modelo da Tesla traz assistentes de direção como sensores de faixa de rolagem, de proximidade e freios ativos de emergência. Outro recurso que trará, será a capacidade de rodar em comboio, o chamado platooning, de maneira autônoma, basta ter o líder do pelotão sendo conduzido.

De acordo com a fabricante, o Semi entregará o melhor custo total de operação. No pior cenário, com a energia a US$ 0,07 o kWh, o Semi gastará US$ 1,26 por milha rodada, enquanto a milha do caminhão a diesel custa US$ 1,51 com o galão a US$ 2,50. A Tesla fala em economia de US$ 200.000 por ano, somente em combustível.

A versão de entrada do Tesla custará em torno de US$ 150.000 (R$ 480.000 com a dólar a R$ 3,20) sem os impostos. O veículo já pode ser reservado com um sinal de US$ 5.000. A estimativa é de que o modelo comece a ser produzido em série em 2019.

No vídeo, alguns instantes mostram o que Musk dizia a respeito da aceleração do Semi.


Notícias relacionadas