Produção de caminhões avança 52% no mês

Apesar do resultado, capacidade ociosa nas fábricas ainda se mantém alta

Foto: Volvo Caminhões

Os desempenhos positivos das vendas para os mercados internos e externos alavancaram a produção de caminhões. No mês passado, as montadoras produziram no País 8.180 unidades, crescimento de 52,6% sobre o volume contabilizado em novembro do ano passado, de 56.380 unidades.

No acumulado do ano também o volume produzido registrou uma alta significativa. Os 75.465 caminhões fabricados de janeiro a novembro representaram evolução de 33,9% sobre as 56.580 unidades de um ano antes. “Apesar do ritmo embalado no chão de fábrica, a capacidade ociosa da ordem de 75% nas fábricas ainda preocupa”, observou Antonio Megale, presidente da Anfavea, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, durante divulgação do balanço do desempenho da indústria automotiva, na quarta-feira, 6, em São Paulo.

Para Megale, no entanto, mesmo que de maneira cuidadosa e ao largo da instabilidade política, a confiança do investidor volta a prevalecer no cenário econômico do País. A análise do dirigente se baseia no desempenho das vendas de caminhão para o mercado doméstico e nas exportações.

Pelos números da Anfavea, os licenciamentos de caminhões em novembro somaram 5.472 unidades, volume 44% superior ao registrado no mesmo mês do ano passado de 3.800 emplacamentos.

O resultado apurado de janeiro a novembro ainda se apresentou negativo, porém, deverá passar a ser positivo em pouco dias de venda. No período foram negociadas 45.865 unidades, leve recuo de 0,5% na comparação com os 46.109 licenciamentos contabilizados há um ano. “As vendas de caminhões ainda não contemplam os negócios feitos na Fenatran, o que oferece uma expectativa otimista para os próximos meses”, destacou Megale.

Também as exportações de caminhões têm proporcionado números positivos para o segmento. Em novembro, as remessas somaram 2.302 unidades, alta de 4,4% sobre o mesmo mês do ano passado, quando embarcaram 2.206 veículos.

Mas é no acumulado de janeiro a novembro que o crescimento se mostra mais expressivo, de 36,8%. No período seguiram para mercados internacionais 26.140 unidades contra 19.114 caminhões exportados nos mesmos onze meses de 2016. “Vemos um desempenho interessante nas exportações de caminhões, a Rússia já é o nosso quarto maior comprador, depois de Argentina, Chile e Peru. Só esse ano foram embarcadas para lá 2.452 unidades, crescimento de 800%, o que mostra que os nossos produtos ganharam competitividade para atender mercados distantes”, revelou Megale.


Notícias relacionadas