O sol a serviço do transporte

Projeto da Transportadora Americana e Sunew leva energia solar para as carretas

Foto: Transportadora Americana

Semirreboques e reboques que funcionam independentes da cabine do caminhão é a ideia por trás de um projeto piloto da Transportadora Americana em parceira com Sunew, fabricante do chamado OPV, filme fotovoltaico orgânico. Uma película adesiva instalada no teto da carreta absorve a luz a solar e a transforma em energia por sistema eletrônico para suprir demandas de componentes como baterias, rastreadores, sistemas de exaustão e ventilação.

Celso Luchiari, diretor da TA, conta que num primeiro momento a tecnologia equipa as carretas da empresa com fechaduras dotadas de segredos randômicos. Como na garagem da empresa há mais semirreboques que cavalos-mecânicos, muitos desses equipamentos perdiam a configuração ao ficarem parados, sem a alimentação da bateria do caminhão, impossibilitando a abertura do compartimento de carga. “Perdíamos muito tempo com isso, porque para reconfigurar a senha da fechadura só com a intervenção do fabricante. Com a tecnologia ganhamos agilidade nos processos de transferência.”

Agora, com a instalação do filme fotovoltaico, as fechaduras são abastecidas de energia de maneira contínua, evitando a indisponibilidade da carreta. Por enquanto, a transportadora faz os testes em seis semirreboques, mas pretende levar para todas as vinte carretas que tem com este tipo de fechadura eletrônica.

O diretor da TA adianta que o uso da energia solar nas fechaduras eletrônicas é apenas um primeiro passo para outras aplicações na frota da empresa. Em breve, por exemplo, a tecnologia poderá ser empregada para alimentar o sistema de rastreamento das carretas e os climatizadores do compartimento de carga, principalmente nas operações de transporte de medicamentos.

A adoção do filme voltaico para proporcionar mais autonomia de energia aos reboques e semirreboques se mostra promissora com relação às células rígidas, que trincam com o atrito. A tecnologia é flexível, portanto, não sofre com as torções as quais o veículo é submetido, não sobrecarrega a estrutura por se leve, além de oferecer uma energia limpa independente do funcionamento do motor ou de qualquer outra fonte externa.

“Diferentemente das estruturas convencionais, que precisam estar conectadas à bateria para garantir a operação, os modelos com a tecnologia do filme possibilitam ao motorista uma viagem mais segura, confortável e econômica”, resume o gerente de novos negócios da Sunew, Filipe Ivo.


Notícias relacionadas