Iveco dribla a crise com as exportações

Montadora completa 20 anos de atividades no Brasil com expressivo crescimento nas remessas para o exterior

Foto:Iveco

A fabricante de Sete Lagoas (MG) comemora a jornada de 20 anos no Brasil com um novo produto, mas também com os resultados obtidos nas exportações. De acordo com a Iveco, nos últimos três anos as remessas da empresa cresceram 236%. Somente no primeiro semestre do ano, mais de 1.700 veículos de carga e passageiros da marca deixaram as fronteiras brasileiras, volume que representou alta de 144% na comparação com o mesmo período do ano passado.

“Temos conseguido driblar a crise com as exportações”, conta Marco Borba, vice-presidente da Iveco para a América Latina. “O negócio não compensa a queda no mercado interno, mas traz oportunidades e estratégias de longo prazo. Embora os mercados da América Latina sejam menores, eles são importantes. Nos últimos 12 meses foram mais de 60 unidades enviadas para países como Chile, Colômbia, Peru e Uruguai.”

Borba conta que na Argentina, a principal compradora, a Iveco tem 25% de participação no mercado de veículos comerciais, que deve fechar este ano com licenciamentos de 30 mil unidades. “Registramos crescimento contínuo no país vizinho. Só no segmento de leves, com a Daily, anotamos 58% de alta no primeiro semestre.”

Também na categoria de ônibus a montadora tem se destacado nas remessas. Na primeira metade do ano as exportações de chassi evoluíram 100%, com mais de 200 unidades embarcadas.

No recente lançamento do Tector Auto-Shift, produto com o qual a montadora espera contar com mais participação no segmento de caminhões semipesados, o executivo destacou o resultado das exportações preferindo enxergar o lado positivo da atual situação do mercado de veículos pesados a lamentar as dificuldades. “Pode-se gastar muito tempo com a crise, mas devemos parar de falar nela e aproveitar as oportunidades. Temos de nos preparar para o que vem pela frente, porque o mercado uma hora volta a comprar.”

A Iveco chegou ao País em 1997 para ser base operação da marca para a América do sul. Em 2000, inaugurou fábrica em Sete Lagoas (MG), um centro desenvolvimento e pesquisa, em 2008, e um campo de provas em 2015. “Começamos com a fabricação da Daily e hoje temos uma linha que conta com modelos como o Hi-Way, o chassi 170S28 e o blindado Guarani”, resume o vice-presidente.

No que diz respeito ao mercado interno, o representante da Iveco projeta um mercado de caminhões em torno de 57.000 unidades em 2017, alinhado com o desempenho do ano passado. Sua estimativa é encerrar o ano com 15% de participação, “ou um pouco acima disso”. De acordo com a Fenabrave, a federação que reúne os distribuidores de veículos no País, no entanto, no acumulado até agosto a montadora tinha fatia de 4% em mercado que totalizou pouco mais de 30,8 mil caminhões emplacados.


Notícias relacionadas